Audiência Pública debate feminicídio e violência doméstica em Cachoeirinha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Casa lotada para discutir sobre o feminicídio - Foto: Divulgação/Republicanos

Audiência Pública debate feminicídio e violência doméstica em Cachoeirinha

O debate tratou sobre questões importantes, como medidas cabíveis em casos de violência, conscientização e onde buscar ajuda

Cachoeirinha – Nesta quinta-feira (10), aconteceu a Audiência Pública sobre feminicídio e violência doméstica contra a mulher na Câmara Municipal de Vereadores de Cachoeirinha. A audiência reuniu mais de 500 participantes, entre eles estudantes e autoridades estaduais e municipais.

O debate, conduzido pelo deputado Sérgio Peres (Republicanos), tratou sobre questões importantes, como as medidas que a mulher pode tomar em casos de violência, onde buscar ajuda, os diferentes tipos de violência e a importância de conscientizar a sociedade sobre esse assunto.O parlamentar falou sobre a importância das leis para preservar os direitos das mulheres. “A cada 10 mulheres agredidas, no máximo 3 denunciam. O índice de feminicídios no estado aumentou muito. Nós precisamos trabalhar com os direitos humanos para defender quem precisa”, destaca.

Segundo a palestrante e jornalista, Graziella Jacques, é fundamental que as mulheres saibam seus direitos, e entendam quando estão sendo vítimas de violência. “A agressão não começa com o ato físico, mas com a violência verbal. Em um primeiro momento a mulher se sente menosprezada e sofre em silêncio. Infelizmente vivemos em uma sociedade em que a mulher tem a necessidade de se proteger”, explica.

A escrivã da 2ª Delegacia de Polícia, Elisangela Theel Tresoldi, ressaltou a importância de dar à vítima a liberdade de escolha. “Em março deste ano criamos a Sala Lilás, um espaço preparado para atender mulheres vítimas de violência. Nesse local nós trabalhamos com a não-crítica. Não temos o direito de julgar, pois não sabemos exatamente o que está se passando, então respeitamos o direito de decisão de cada mulher, pois dentro de casa elas não tem isso.”

O vereador Edison Cordeiro (Republicanos), falou sobre a importância de ensinar a população sobre os direitos da mulher. “É necessário que haja uma conscientização sobre o assunto. Os homens, desde a infância, precisam aprender a respeitar as mulheres, pois elas não são menos”, salienta.

Também estiveram presentes o secretário de saúde, Paulo Abrão, a secretária do movimento Mulheres Republicanas, Fernanda Lopes de Almeida, a presidente da Conselho Municipal de Direitos da Mulher (Comdim), Maria de Fátima da Rosa, o promotor de justiça, Marcelo Rasquin Bertussi, os soldados do 26º Brigada Militar (Patrulha Maria da Penha), Regiane Rios Santana e Ivan Fagundes de Castro, a mestra em direitos humanos e professora da faculdade Cesuca, Cristiane Feldmann, a coordenadora do Conselho de Mães, Eva Nunes, Gisele Vargas, membro do comitê Viva Mulher e os vereadores Jacqueline Ritter (PSB), Eduardo Keller (Republicanos) que auxiliaram na organização da audiência.

A Lei Maria da Penha é considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU) uma das mais avançadas legislações do planeta de enfrentamento ao problema. A cartilha com a lei atualizada e com os contatos da rede de atendimento está disponível de forma gratuita à população gaúcha pelos fones 5132102639 e 5132102637 ou pelo e-mail ccdh@al.rs.gov.br

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.