Projeto cria o Dossiê da Violência Contra às Mulheres em Cachoeirinha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
David Almansa - Foto: Divulgação

Projeto cria o Dossiê da Violência Contra às Mulheres em Cachoeirinha

Ele é o primeiro do vereador mais votado nas últimas eleições

Cachoeirinha – A Câmara de Vereadores discute e vota na noite desta quinta-feira (18) o primeiro projeto do vereador David Almansa, eleito com a maior votação nas últimas eleições. O projeto está na Ordem do Dia e cria o Dossiê da Violência Contra às Mulheres.

Publicidade

Ele foi debatido pelo parlamentar com o Coletivo Pela Vida das Mulheres tendo como foco a necessidade de produção de dados a partir de outras fontes e portas de entradas das políticas públicas para as mulheres em Cachoeirinha.

Hoje, uma das principais fontes de estatísticas sobre a violência contra as mulheres no município são os dados fornecidos pelo Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul, a partir dos registros realizados nas delegacias.

O vereador destaca que, embora seja um importante indicador das taxas de violência contra as mulheres no Estado, é preciso levar em consideração que este é um fenômeno complexo e multifacetado estando entre os que possuem a menor taxa de denúncias.

Publicidade

A ideia, então, é agregar em um levantamento estatístico dados que chegam até os serviços sociais disponíveis na cidade permitindo ter uma visão mais real da violência contra a mulher na cidade.

Para Almansa, as estatísticas contribuirão para a construção da produção de políticas públicas intersetoriais e eficazes de acolhimento e proteção às mulheres em situação de violência, bem como auxiliará na identificação de possíveis assimetrias entre regiões do município e/ou entre os diferentes perfis de mulheres, evidenciando as prioridades e enfoques de atuação do poder público municipal no atendimento a estas mulheres.

“Para um efetivo enfrentamento da violência contra as mulheres, precisamos do comprometimento do poder público na construção de políticas públicas, bem como campanhas de conscientização sobre as diversas formas de violência, suas causas e direitos das mulheres. Além disso, também é necessária a inclusão deste debate nos sistemas de saúde e de educação, bem como a construção de Centros Integrados de Atendimento às mulheres, casas abrigos, programas de inserção destas mulheres no mercado de trabalho, entre outros”, destaca.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.