Curto no celular: estado de saúde de bombeira é muito grave - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Gysa era voluntária em Cachoeirinha - Foto: Reprodução Facebook

Curto no celular: estado de saúde de bombeira é muito grave

É muito grave o estado de saúde da bombeira voluntária, Gysa Martins, 37 anos, que sofreu queimaduras durante um incêndio provocado pelo carregador do seu celular. Familiares vieram de Uruguaiana para acompanhar de perto o esforço dos médicos do Hospital de Pronto Socorro (HPS), de Porto Alegre, para tentar salvar a vida dela.

O irmão de Gysa, Cléber, conversou com oreporter.net no meio da tarde desta quarta-feira (4) explicando que o quadro é muito delicado. “Ela só não queimou os pés. Perdeu muita pele e o sistema respiratório ficou muito comprometido. De ontem (terça) para hoje (quarta) ela praticamente não melhorou e os rins também estão prejudicados. Os médicos não estão dando muita esperança e mais do que nunca precisamos de uma corrente de orações”, disse.

Publicidade

Cléber não sabe detalhes sobre o que aconteceu pouco antes das 18 horas da última segunda-feira (2), quando vizinhos chamaram os Bombeiros depois de verem as chamas no apartamento onde Gysa morava com o marido, Ronaldo Paula de Quadros, na rua Villa Lobos, no bairro Barnabé, em Gravataí.

Ronaldo publicou em um grupo no Facebook um alerta sobre os riscos dos carregadores de celulares e pediu orações para a esposa”: Boa tarde pessoal, venho aqui para deixar um recado a todos do grupo: JAMAIS DEIXEM TELEFONE CARREGANDO DURANTE A NOITE. Estou com minha esposa entre a vida e a morte aqui no HPS de Porto Alegre devido a um curto-circuito gerado no carregador do telefone celular. O curto correu pelo cabo até o colchão devido a proximidade de ambos. Só peço a vocês que orem por ela. Muitíssimo obrigado!!!!”

Segundo informações apuradas pelo oreporter.net, Gysa estava dormindo e deixou o celular sobre a cama, mas ligado ao carregador. O irmão dela não soube informar se o carregador era um original do aparelho ou um genérico. Em sites especializados, técnicos não recomendam o uso de carregadores que não sejam os originais.

Publicidade

Os carregadores genéricos, que são muito baratos e comercializados em camelôs e lojas, não possuem dispositivos de segurança que impedem um curto e até mesmo uma descarga elétrica capaz de matar uma pessoa. Em 2016, a empresa de segurança energética UL, do Canadá, fez um teste com 400 carregadores do Iphone de diversas marcas comprados em diversos países. O resultado foi assustador: 99% deles apresentaram defeito. O isolamento dos dispositivos é falho. O problema está, conforme a empresa, nos transformadores que ficam dentro dos carregadores. A energia que vaza pode facilmente eletrocutar uma pessoa e provocar a morte.

LEIA MAIS

Celular provoca incêndio e bombeira tem 90% do corpo queimado

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.