Celular provoca incêndio e bombeira tem 90% do corpo queimado - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Gysa era voluntária em Cachoeirinha - Foto: Reprodução Facebook

Celular provoca incêndio e bombeira tem 90% do corpo queimado

A bombeira voluntária Gysa Martins, 37 anos, teve 90% do corpo queimado em um incêndio no seu apartamento provocado por um curto circuito enquanto carregava o seu celular ao lado da cama. Segundo informações do Corpo de Bombeiros de Gravataí, vizinhos fizeram um chamado às 18h12min desta segunda-feira.

O apartamento, localizado na rua Vila Lobos, no bairro Barnabé, ficou parcialmente destruído. Ela foi levada para o Hospital Padre Jeremias, em Cachoeirinha, e removida para o setor de queimados do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre. Informações dos Bombeiros de Cachoeirinha, onde ela era voluntária, dão conta de que Gysa estaria dormindo quando o fogo começou.

Publicidade

O marido dela, Ronaldo Paulo de Quadros, fez uma postagem em um grupo no Facebook na tarde desta terça-feira fazendo um alerta sobre o risco de deixar um celular carregando sobre um colchão e pedindo orações.

“Boa tarde pessoal, venho aqui para deixar um recado a todos do grupo: JAMAIS DEIXEM TELEFONE CARREGANDO DURANTE A NOITE. Estou com minha esposa entre a vida e a morte aqui no HPS de Porto Alegre devido a um curto circuito gerado no carregador do telefone celular. O curto correu pelo cabo até o colchão devido a proximidade de ambos. Só peço a vocês que orem por ela. Muitíssimo obrigado!!!!”

A reportagem não conseguiu contato com o marido para apurar como ela está. Segundo informações dos Bombeiros de Cachoeirinha, Gysa estaria com 60% dos pulmões comprometidos devido ao fato de ter aspirado muita fumaça. O quadro se agrava em função das queimaduras que atingem praticamente todo o corpo.

Publicidade

Não há informações sobre o tipo de carregador que Gysa vinha utilizando. No início do ano, o jornalista Rodrigo Alves, do site oreporter.net, passou por um susto. Ele comprou um carregador não original em uma loja na parada 49 e no primeiro uso o dispositivo pegou fogo. Ele estava ligado em uma extensão, o que facilitou o trabalho de desconectá-lo da tomada. “O carregador estava apoiado sobre um banco de madeira e como eu estava por perto, consegui evitar algo mais grave”, disse.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.