Presidente da Câmara faz ameaça a vereador - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Edison Cordeiro - Foto: Câmara de Vereadores/Divulgação

Presidente da Câmara faz ameaça a vereador

Edison Cordeiro, no final da Sessão desta terça-feira, fez referência a recurso do vereador Fernando Medeiros, sem citar seu nome

Cachoeirinha – O presidente da Câmara de Vereadores de Cachoeirinha, Edison Cordeiro, encerrou a Sessão desta terça-feira (28) fazendo uma ameaça ao vereador Fernando Medeiros sem deixar claro sobre quem estava falando e sobre o que faria. Durante a Sessão, o site oreporter.net publicou uma matéria dando conta de que o vereador Fernando Medeiros ingressaria na Justiça contra as supostas ilegalidades que Cordeiro teria cometido durante a apreciação de pedidos de abertura de CPI para investigar o hospital de campanha.

Publicidade

“Não tem mais item na pauta?”, perguntou à vereadora Jacqueline Ritter, que conduzia os trabalhos de secretaria e em seguida afirmou: “ Deixa só eu olhar aqui uma coisa que me mandaram [link da matéria do site oreporter.net] Tem coisas que a gente não pode nem responder. Tem pessoas [Fernando Medeiros] que não aceitam a interpretação desta presidência. Quando certos presidentes sentaram aqui nessa Mesa [Diretora], teve presidente que até renunciar renunciaram a essa Mesa [Fernando Medeiros]. Esse presidente [Ele, Edison Cordeiro] não tem medo de atos que faz aqui. Então, tem vereadores que tem que entender e respeitar essa Mesa. Se vai em redes sociais e falar com certos repórteres [do site oreporter.net]  e denegrir a imagem desta Mesa Diretora, o senhor será responsabilizado pelos seus atos. Nada mais havendo a tratar dou por encerrada essa Sessão”, disse.

Cordeiro se referia a Fernando Medeiros e ao episódio em que ele renunciou ao cargo de presidente e voltou atrás durante a votação da proposta de oposicionistas de diminuir a autonomia do prefeito Miki Breier em movimentar o orçamento sem autorização legislativa. E também ao fato de ele ter se negado em aceitar o recurso apresentado por Medeiros contra supostas ilegalidades cometidas na apreciação de dois requerimentos pedindo a abertura de CPI para investigar o hospital de campanha.

Apesar de ter considerado legal o procedimento de aceitar o requerimento da vereadora Jacqueline Ritter, apresentado em forma física e não dentro do protocolo eletrônico, e ainda ter aberto a CPI dentro do Pequeno Expediente e não na Ordem do Dia, neste terça ele adotou um procedimento diferente sobre o requerimento para a abertura de outra CPI, a da iluminação pública. O requerimento proposto pelo vereador Nelson Martini foi apenas lido no espaço do Pequeno Expediente, como determina o Regimento Interno, sendo a instauração da CPI programada para a Sessão da próxima semana.

Publicidade

A decisão tomada nesta terça será mais um dos argumentos que poderá ser utilizada no Mandato de Segurança que Medeiros vai ajuizar na Justiça uma vez que critérios diferentes foram adotados para a apreciação de um requerimento e instauração da CPI. Cordeiro é integrante do bloco oposicionista, assim como a vereadora Jacqueline Ritter e como o vereador Nelson Martini. Já Medeiros, assim como outros vereadores da base governista, defendem uma investigação sem o viés eleitoral.

O prefeito Miki Breier chegou a abrir uma sindicância para investigar se ocorreram irregularidades no processo conduzido pelo ex-secretário da Saúde, Dyego Matielo, que pediu demissão depois de apontamentos feitos pelo setor de auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Miki chegou a ir, por iniciativa própria, ao TCE e ao Ministério Público para levar toda a documentação e correções feitas nos procedimentos adotados depois dos apontamento do TCE.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.