Miki recebe muitas cobranças no Prefeitura com a Gente - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Mãe reclama que não tem onde deixar filha - Foto: Roque Lopes/oreporter.net

Miki recebe muitas cobranças no Prefeitura com a Gente

  • Roque Lopes

O prefeito Miki Breier enfrentou um sábado (11) difícil no Prefeitura com a Gente realizado no Parcão, no Parque da Matriz. Toda a estrutura das secretarias foi montada para receber o cidadão sem a necessidade de ele ter que enfrentar a burocracia dos gabinetes. E o gazebo onde ele estava ao lado do vice Maurício Medeiros foi concorrido, sempre com fila e curiosos ao redor.

Funcionários municipais aproveitaram para se queixar diretamente ao prefeito com relação aos cortes de vantagens salariais. Mães de crianças na rede municipal de ensino também reclamaram por não ter onde deixar seus filhos nas escolas que aderiram à greve e ainda sobre a implementação do turno único nas EMEIs a partir de 3 de abril.

Publicidade

Miki não deixou de responder nenhum questionamento e sempre justificou que as medidas adotadas para reduzir a despesa com a folha de pagamento foram uma necessidade para se ajustar ao que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal. O prefeito ainda argumentou que esta e outras medidas de economia estão sendo adotadas para ser possível viabilizar investimentos em obras e projetos necessários para a cidade.

Nem todos compreenderam a mensagem e muitos questionaram o salário do prefeito, hoje em R$ 27.115,02, querendo saber porque ele não baixava. “Essa é uma atribuição da Câmara de Vereadores e não minha”, dizia. Uma servidora municipal argumentou que todos os vereadores são da base do governo e que Miki poderia “mandar” eles baixarem o salário. “Não funciona desta forma. Os poderes são independentes e o prefeito não pode interferir no Legislativo”, explicou Miki.

A autônoma Tatiane Ferreira, 35 anos, aproveitou para dizer ao prefeito que devido à greve não tinha com quem deixar sua filha e muito menos trabalhar. “O senhor também é professor. Coloque a mão na consciência e volte atrás nesses projetos.” Assim como disse para vários outros contribuintes, Miki argumentou que as medidas são indispensáveis para viabilizar o atendimento das necessidades da administração devido a falta de recursos.

Publicidade

Durante esta edição do Prefeitura com a Gente, uma panfleto com uma prestação de contas relativa as primeiras medidas adotadas neste governo foi distribuído. Nele, são apontadas as reduções com a folha de pagamento, a diminuição de secretarias e CCs, devolução de imóveis alugados, revisão de contratos e medidas que serão adotadas para cobrança de contribuintes inscritos na dívida ativa, que soma R$ 204 milhões.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.