Miki anuncia nesta sexta decisão sobre o Mato do Júlio - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Construção de condomínios é uma das opções - Fotos: Reprodução

Miki anuncia nesta sexta decisão sobre o Mato do Júlio

Prefeitura vinha analisando proposta apresentada pelos herdeiros e que destina parte da área para o Município.

Cachoeirinha – O prefeito Miki Breier vai anunciar nesta sexta-feira (13) a decisão da Prefeitura de Cachoeirinha sobre uma proposta de utilização de parte da área do Mato do Júlio apresentada pelos herdeiros. A atividade inicia às 10 horas e vai acontecer no auditório do Centro das Indústrias de Cachoeirinha (CIC).

Publicidade

Não foram antecipadas quais são os detalhes da decisão. Em julho deste ano, os herdeiros apresentaram para a Prefeitura um estudo prévio sobre a utilização de parte da área que fica entre a Flores da Cunha e a Free Way. O material teria que ser analisado em diferentes secretarias para a emissão de um parecer.

O acordo havia sido costurado em várias reuniões de uma comissão formada exclusivamente para esta finalidade. Na época, o secretário de Planejamento e Captação de Recursos, Élvis Valcarenghi, revelou que as negociações englobariam cinco eixos: áreas institucionais, diretrizes viárias, viabilidade ambiental, doação de área para uma avenida perimetral e doação de área para um parque – no termo da legislação, é dação em pagamento significando o pagamento de dívida com imóvel.

Área no entono da Casa dos Baptista poderá ser transformada em um parque – Foto: Fernando Planella/divulgação

A doação antecipada de uma faixa de 60 metros por 1,2 quilômetros para a Prefeitura permitiria a construção de uma avenida perimetral margeando a free way e fazendo a ligação da Papa João XXIII com o Parque da Matriz.
A avenida teria duas faixas de rolamento em ambos os sentidos com canteiro central e ciclovia, além de calçada.

Publicidade

O investimento estimado para a obra gira em torno dos R$ 8 milhões e a Prefeitura poderia buscar um financiamento junto ao Banco do Brasil. Sondagens iniciais já foram feitas.

A nova avenida seria a principal alternativa para quem for entrar ou sair da cidade utilizando as alças de acesso que serão construídas pela nova concessionária da free way, a CCR ViaSul.

Outro eixo, detalhou Valcarenghi na época, engloba a doação de uma área de 6,5 hectares no entorno da Casa dos Baptista, tombada no governo passado. O local abrigaria um parque havendo a restauração da casa que teria mais de 200 anos. Um restaurante e uma cafeteria poderiam integrar o espaço de lazer. A ideia inicial da Prefeitura era buscar uma parceria privada para viabilizar o parque.

A maior preocupação de ambientalistas, lideranças comunitárias e vereadores oposicionistas ao Governo Miki em torno da destinação da área do Mato do Júlio está contemplada em um Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) elaborado no final de 2016 e início de 2017 que o site oreporter.net teve acesso com exclusividade em agosto desse ano. Desde lá não houve confirmação oficial de que ele faça parte da proposta apresentada pelos herdeiros.

O documento traz no topo o nome Arcadia e é assinado pela Area Urbanismo, uma empresa instalada na Vila Madalena, em São Paulo. Arcadia é o mesmo nome da Arcadia Urbanismo, uma parceria estratégica da Melnick Even Urbanizadora. Na Câmara, o nome da Melnick chegou a ser citado em reuniões como sendo uma interessada na área, mas a empresa, através de interlocutores, nega qualquer envolvimento em negociações com herdeiros.

O EVU, cujo PDF foi criado no dia 23 de marco de 2017 às 18h51min, levou em conta apenas a parte da área que vai da Flores da Cunha até a Free Way, deixando de fora a que fica no outro lado da rodovia, ao lado da Estação de Tratamento de Esgoto da Corsan.

Nesta parte utilizada para a análise, a área é de 124 hectares e no total, conforme dados da Prefeitura, o Mato do Júlio teria 256 hectares. O EVU é um estudo utilizado para verificar se determinado empreendimento imobiliário pode ou não ser executado em uma determinada região e tem o objetivo de identificar o impacto nos sistemas produtivo, viário e habitacional.

No documento que a reportagem teve acesso, contendo 19 páginas e com os nomes de cinco profissionais da área técnica da Area Urbanismo, não há informações detalhadas sobre arruamentos por exemplo. Ele aponta somente as áreas que podem ser aproveitadas para edificações e as que devem ser preservadas citando a metragem que seria utilizada para as ruas.

O estudo, classificado como preliminar e com uma série de observações sobre a necessidade de validação por parte da Prefeitura em diversos aspectos, aponta que o Mato do Júlio, na gleba entre a Flores da Cunha e Free Way, poderá abrigar 820 áreas residenciais unifamiliares com terrenos tendo 200 metros quadrados. Este tamanho corresponde a um terreno pequeno medindo, por exemplo, 10 metros de frente por 20 de profundidade. No total, são três lotes residenciais e dois condomínios. Saiba mais detalhes clicando aqui.

Na Câmara de Vereadores, o vereador Marco Barbosa conseguiu a aprovação de uma Frente Parlamentar para discutir a destinação da área. Os trabalhos realizados até o momento levantaram o histórico da área e as necessidades legais para sua utilização.

LEIA MAIS

Prefeitura publica Nota Oficial sobre o Mato do Júlio

EXCLUSIVO: os detalhes do estudo do Mato do Júlio que vazou

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.