Mais cirurgias eletivas e leitos SUS são metas de contrato entre a Prefeitura e a Santa Casa - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Os números foram apresentados durante a reunião do Coedes - Foto: Letícia Vargas/PMG

Mais cirurgias eletivas e leitos SUS são metas de contrato entre a Prefeitura e a Santa Casa

Raio-x da saúde do município foi apresentado pelo secretário municipal da Saúde Jean Torman

Gravataí – A Prefeitura Municipal de Gravataí e a Santa Casa estão no final das tratativas de renovação de contrato de serviços do Hospital Dom João Becker (HDJB). O que já está certo é o incremento no número de cirurgias eletivas e de leitos do SUS.

Um breve raio-x sobre o primeiro ano da administração da Santa Casa em Gravataí e um panorama da administração pública da saúde da cidade foi ataí presentado na reunião desta quarta-feira (18), do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Gravataí (Codes).

Segundo o secretário Municipal da Saúde e procurador-geral do município Jean Torman, a negociação está em fase final. “Deveremos aumentar o número de cirurgias eletivas em, no mínimo, 50% e as traumatológicas, que são uma demanda reprimida considerável que temos no município, deverão receber uma atenção especial.” 

Atualmente uma média de 200 cirurgias eletivas são feitas por mês no HDJB e este número deve subir para mais de 300 no próximo ano. Com relação ao número de leitos, dos 193 que o hospital possui, 110 são de atendimento SUS, sendo que destes, apenas oito são de UTI (unidade de terapia intensiva).A Santa Casa, sabendo da necessidade de ampliação de estrutura de atendimento em Gravataí está realizando obras de médio e curto prazo.

Estão previstos a ampliação da emergência SUS de 405 para 827 metros quadrados, com o aumento de 8 para 24 leitos de observação, a nova UTI, que passará dos atuais 10 para 20 leitos, e a construção de um centro de mais de 15 especialidades médicas (este último para convênios). Os prazos para as obras são de até 14 meses.

“O centro de especialidades será em um prédio anexo ao hospital e todo o espaço físico que será aberto na estrutura do hospital será revertido para atendimento SUS, inclusive com a construção de mais leitos”, revela Jean.

Ele destaca que para o porte da cidade, “Gravataí deveria ter 600 leitos públicos”. “Claro que não esperamos isso em um curto prazo, mas a Santa Casa está disposta a construir alternativas com o município.”o secretário ainda afirmou que a UPA e o PAM 24 hortas atendem cerca de 160 mil pacientes por ano.

Além disso, eles somados possuem 50 leitos, que “contribuem com a estrutura hospitalar do SUS da cidade.”Mesmo com tudo isso, todos os meses, transportamos cinco mil pacientes para Porto Alegre. Ou seja, nosso sistema está em colapso”, desabafa Jean.

A inclusão da pessoa com deficiência como pauta

Ao voltarem do intervalo, os conselheiros puderam saber um pouco mais sobre o trabalho da empresa Recicla Mais, que está instalada em Gravataí e tem como principal objetivo a destinação correta da borracha inservível (como por exemplo os pneus velhos que são retirados dos veículos).

A apresentação foi feita pelo seu proprietário Volmir Astor Panzer.Após, todos os presentes foram surpreendidos com um material distribuído pela servidora pública que atua na Assessoria de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência, a deficiente visual Patrícia Lisboa.

Com duas folhas em Braile, ela fez com que as pessoas sentissem na pele o que é a falta de inclusão.Ela ainda explicou sobre a legislação vigente, sobre os tipos de inclusão e falou o que é feito no município nesta área.

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.