Simca decreta greve sanitária mas aulas presenciais seguem normais - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Assembleia virtual - Foto: Reprodução/Facebook do Simca

Simca decreta greve sanitária mas aulas presenciais seguem normais

Decisão foi tomada na noite desta quarta-feira (24) em assembleia geral realizada através de um aplicativo

Cachoeirinha – O Sindicato dos Municipários de Cachoeirinha (Simca) decretou greve sanitária a partir desta quinta-feira (25) se posicionando contra a continuidade das aulas presenciais. A assembleia geral foi realizada de forma virtual na noite desta quarta-feira (24). A entidade, em sua página oficial no Facebook, destaca que “a greve sanitária é um instrumento de luta quando há condições ameaçadoras à saúde pública”.

Publicidade

O sindicato argumenta que “com o sistema de saúde colapsando na região, devido ao esgotamento dos leitos de UTI para tratamento dos casos graves de COVID-19; com o aumento vertiginoso do número de casos nos últimos dias; com as condições de trabalho e saúde insuficientes nas escolas para ensino presencial dos alunos; com os governantes insistindo na volta das aulas presenciais em meio a esse cenário todo; a categoria entendeu que não há outra saída para o momento além da greve sanitária”.

As atividades, contudo, continuam normais na forma remota. A reportagem tentou contato com o Simca para saber quais são as próximas etapas do movimento, mas não obteve retorno.

O que diz a secretária da Educação

Publicidade

Um levantamento realizado pela secretaria municipal da Educação mostra que somente três professores não comparecem nas escolas de educação infantil. Já nos educandários do ensino fundamental, que estão com atividades presenciais apenas nos primeiros e segundos anos, ocorreu somente uma falta.

A secretária Rosinha Lippert destaca que os pais devem continuar enviando seus filhos normalmente. Casos particulares onde ocorrerem prejuízos no atendimento aos alunos serão resolvidos pelas direções e comunicados aos pais.

O governo do Estado retirou das prefeituras a cogestão na área de Educação e definiu que elas podem continuar na forma presencial na educação infantil e na alfabetização. Os motivos são dois: atividades remotas para estas crianças nesta faixa etária são mais complicadas e muitos pais precisam ter onde deixar os alunos para poderem trabalhar.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.