Saiba o que diz quem quer baixar o salário do prefeito - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

Saiba o que diz quem quer baixar o salário do prefeito

  • Roque Lopes

O Sindicato dos Municipários de Cachoeirinha (Simca) segue firme na coleta de assinaturas para baixar o salário do prefeito de Cachoeirinha, vice, secretários e vereadores. No sábado, durante o Prefeitura com a Gente no Parcão do Parque da Matriz, um gazebo foi montado para a coleta de assinaturas.

A redução do salário do prefeito de Cachoeirinha é principal ponto de convencimento para quem assina e está relacionado a medidas que ele vem adotando contra o funcionalismo. Hoje, o prefeito Miki Breier tem um vencimento mensal bruto de R$ 27. 115,02 e sobra para ele líquido, após os descontos de Imposto de Renda e INSS, pouco mais de R$ 20 mil.

Publicidade

O topógrafo Robson Ramires, 38 anos, informou seu dados e assinou a ficha apoiando a redução. “Eu tenho filhos nas creches e com esta greve eles não estão indo. Assinei por este motivo e também porque acho que o prefeito ganha muito”, argumenta.

Já o motorista Telmo Aguirre, 41 anos, sustenta que “os políticos estão com um salário muito alto”. Ele ressalta ainda que em Cachoeirinha “está havendo um desmonte da educação” e cita como exemplo a implantação dos dois turnos nas Emeis. “Vão cortar até a alimentação e a gente sabe que tem muita criança carente que depende das refeições”, frisa (A secretária de Educação garantiu que as crianças terão almoço e janta).

Para a professora Keterlly Clemente, 31 anos, os salários dos políticos pode ser menor. Ela assinou a lista por dois motivos: Primeiro, porque considera injusto o corte feito em vantagens do funcionalismo. “São direitos adquiridos e estão tirando”, ressalta. Ela tem filhos na pré-escola e com o fim do turno único no dia 3 de abril não sabe ainda onde vai deixá-lo para poder trabalhar. Este é o segundo motivo apontado para aderir ao movimento do Simca. Keterlly foi aprovada no concurso da Prefeitura e está aguardando ser chamada.

Publicidade

Assinar a lista como forma de revide aos projetos do prefeito Miki Breier, pelo menos no Parcão, foi uma constante. O motorista Telmo Aguirre argumentou que esta é uma forma que a sociedade tem de demonstrar o seu descontentamento. “Virou um revide, é verdade, mas devemos considerar que isto é uma forma que temos de nos posicionar sobre tudo o que vem acontecendo”, sustenta.

A funcionária pública responsável por coletar as assinaturas no sábado, Tânia Maria Coelho Breyer, sustenta que o abaixo assinado não deve ser visto apenas como uma medida para baixar salários. Segundo ela, o conjunto das ações do governo é que estão em análise, onde a população se posiciona a partir dos impactos dos projetos apresentados pelo prefeito.

O que diz o presidente do Simca

O presidente do Simca, Guilherme Runge, explica que não há um prazo estabelecido para ser concluída a coleta das assinaturas: “É uma construção que estamos fazendo e esperamos atingir o resultado proposto”, diz. Para ser apresentado o projeto de iniciativa propular é necessário realizar a coleta de assinaturas de 5% do eleitorado (5.062), conforme a Lei Orgânica de Cachoeirinha define. Caso o Legislativo rejeite a proposta, um referendo pode ser convocado, mas para isso é necessário coletar assinaturas de 10% do eleitorado, correspondendo a 10.124 eleitores. Não foi feita uma contabilização ainda da quantidade de assinaturas já coletas.

O que diz o prefeito e o presidente da Câmara

O prefeito Miki Breier tem dito que não cabe a ele reduzir o seu salário e dos demais políticos. “Esta competência é da Câmara de Vereadores. Eu não posso interferir em iniciativas que são do Legislativo porque os poderes são independentes”. Já o presidente do Legislativo, Marco Barbosa, salienta que projetos que alteram salários só podem ser apreciados no último ano de cada Legislatura e as decisões só valem para os próximos eleitos.

A proposta do Simca

Pela proposta do sindicato, os salários para prefeito, vice, secretários e vereadores será vinculado ao menor vencimento básico dos cargos de servidor da Prefeitura. O menor vencimento hoje, sem nenhuma vantagem prevista no plano de carreira, é dos serventes e serviços gerais correspondendo a R$ 1.087,59. Veja como ficariam os salários:

Para o cargo de Prefeito, o valor de dez (10) vezes o menor vencimento: R$ 10.875,90

Para o cargo de Vice-prefeito, o valor de sete (7) vezes o menor vencimento: R$ 7.613,13

Para o cargo de Secretário, o valor de cinco (5) vezes o menor vencimento: R$ 5.437,95

Para o cargo de Vereador, o valor de cinco (5) vezes o menor vencimento: R$ 5.437,95

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.