Miki autoriza reinício da obra da Fernando Ferrari - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Caso envolve obra da Fernando Ferrari, entre outras - Foto: Fernando Planella/Arquivo

Miki autoriza reinício da obra da Fernando Ferrari

Outras sete ruas, principalmente no Distrito Industrial, receberão asfalto novo

Cachoeirinha – O prefeito Miki Breier assinou na manhã desta sexta-feira (7) a ordem de início de obra para a construtora R. Schaeffer Construções Ltda fazer a conclusão da Fernando Ferrari e recapeamento asfáltico de outras sete vias, principalmente no Distrito Industrial. O investimento é de R$ 15.368.798,00 e a previsão de conclusão é de oito meses se nenhum entrave burocrático atrasar pagamentos a empresa vendedora da licitação.

Publicidade

Os recursos são da Caixa Econômica Federal fazem parte do PAC 2 Mobilidae – Grandes Cidades que previa calçadas, ciclovias, pavimentação e prolongamento da Fernando Ferrari. As obras iniciaram ainda no Governo passado e acabaram sendo paralizadas pela construtora Brasília Guaíba depois de 63,64% estarem concluídas. No Governo atual, o contrato foi rescindido mas a Prefeitura ficou com uma dívida relativa a correções e atualizações não pagas.

A alternativa encontrada no ano passado foi uma permuta de uma área próxima da Souza Cruz, mas o projeto não avançou na Câmara de Vereadores. A empresa havia sido multada em cerca de R$ 4 milhões e apresentado uma defesa no setor errado.

O prefeito determinou o cancelamento da multa para analisar o recurso e voltou a aplicá-la. Na Câmara, vereadores oposicionistas criaram uma série de empecilhos e argumentavam que a multa deveria ser descontada do crédito que a empresa tinha. Ainda questionavam o real valor da área e até a planilha de cálculos apresentada pela empresa para cobrar a dívida.

Publicidade

O projeto não avançou e sem ele a Caixa Econômica Federal não liberaria a continuidade das obras, cujo investimento total girava ao redor de R$ 55 milhões. Para autorizar o uso dos R$ 17 milhões do saldo, conforme o secretário do Planejamento e Captação de Recursos, Elvis Valcarenghi, a Caixa exigia uma solução para a dívida. Um acordo extrajudicial já estava assinado desde o ano passado e faltava ser cumprido.

A alternativa encontrada está em uma lei aprovada pela Câmara de Vereadores permitindo que a Prefeitura faça a gestão de ativos nos mesmos moldes que o Governo do Estado está fazendo. No dia 27 de julho foi realizado um pregão oferecendo cinco áreas que poderiam ser pagas em dinheiro, permuta ou ainda com créditos que empresas tinham com a Prefeitura.

Somente a Brasília Guaíba fez proposta e arrematou três áreas para pagar com o que tem para receber da Prefeitura relativa ao contrato cancelado. A maior e mais valorizada delas fica próxima da Arena Cruzeiro. “Agora faltam apenas os detalhes para apurarmos se a empresa tem que nos pagar algo ou se nós ficamos devendo alguma parte”, explica Valcarenghi.

Com o impasse resolvido, a Fernando Ferrari será concluída. Na autorização de início de obras assinada pelo prefeito estão previstos ainda o recapeamento da Fritz Beiser, Clemente Cifali, Iguaçu, Caí e Princesa Isabel. O trecho da Frederico Ritter a partir da Fritz Beiser até a Flores da Cunha também vai ganhar asfalto novo.

O mesmo vai acontecer com a Avenida das Indústrias, a segunda principal entrada da cidade. A obra é uma antiga reivindicação do Centro das Indústrias de Cachoeirinha e ao longo dos anos vinha recebendo apenas operações para tapar buracos.

Conforme Valcarenghi, uma das principais obras é a conclusão da Fernando Ferrari. Ela poderá permitir a criação de um sistema binário para desafogar o trânsito em parte da Frederico Ritter, especialmente nos horários de pico. “A Ritter poderá ter mão única no sentido da Flores da Cunha e a Fernando Ferrari servir para quem se desloca no sentido contrário”, salienta.

Isto depende de um projeto de trânsito cujo estudo está sob responsabilidade  a cargo da secretaria de Segurança e Mobilidade. Valcarenghi revela que a Fernando Ferrari poderá ter um prolongamento e no futuro ser uma alternativa para ligar esta região da cidade na RS-118. Há a necessidade de desapropriação de áreas e uma negociação com a Conservas Ritter já foi iniciada.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.