Jovens são inseridos no mercado de trabalho através dos Centros da Juventude do RS - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Mais jovens no mercado de trabalho - Foto: Mauricio Tonetto / SJCDH

Jovens são inseridos no mercado de trabalho através dos Centros da Juventude do RS

Atualmente são seis CJs no Estado: Lomba do Pinheiro, Rubem Berta, Cruzeiro e Restinga – em Porto Alegre –, além de Alvorada e Viamão

Em meio a prateleiras cheias de stents, marca-passos, oxigenadores e fios para intubação, o jovem Carlos Eduardo Silva da Luz, 17 anos, supera limites e constrói um futuro que não imaginava existir. Morador da Lomba do Pinheiro, começou a frequentar o Centro da Juventude (CJ) do bairro e recebeu a oportunidade de ser auxiliar administrativo no Instituto de Cardiologia, um dos principais hospitais do Rio Grande do Sul.

Publicidade

Orientado pelos funcionários do departamento, Carlos tem lições práticas de informática, administração e relações interpessoais que serão determinantes para o seu ingresso no mercado de trabalho. Ele é um dos cerca de 600 jovens atendidos pelo Programa de Oportunidades e Direitos (POD), mantido pela Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

“Me sinto prestativo, dou orgulho à minha família e posso mostrar aos outros que vou além. Amplio minha visão de mundo com este trabalho e sou grato pela oportunidade que ganhei. Vou agarrá-la até o fim. Trabalhar faz bem”, diz Carlos.

POD    Jordane de Souza
Jordane de Souza passou de jovem aprendiz de gastronomia a funcionário em apenas seis meses, o que garantiu o casamento – Foto: Mauricio Tonetto / SJCDH

A meta dele é ser efetivado, assim como ocorreu com outro frequentador do CJ da Lomba do Pinheiro, Jordane de Souza, 20 anos. De jovem aprendiz de gastronomia ele passou a funcionário do Instituto de Cardiologia em apenas seis meses. A primeira assinatura na carteira de trabalho propiciou a realização de dois sonhos: o casamento com a namorada e a compra do primeiro carro.

Publicidade

“O CJ me trouxe até aqui e só posso agradecer. Tenho muito mais a aprender e é isso que faço no tempo que sobra das minhas tarefas. Um dia serei cozinheiro”, afirma Jordane.

Prevenção à violência e foco na cidadania

Com investimentos em educação, esporte, cultura, empreendedorismo, segurança pública e atendimento socioeducativo, o POD é uma política pública pioneira e completa para criar oportunidades aos jovens e melhorar a qualidade de vida das comunidades.

Atualmente são seis CJs no Estado: Lomba do Pinheiro, Rubem Berta, Cruzeiro e Restinga – em Porto Alegre –, além de Alvorada e Viamão. A projeção é atender anualmente 3,6 mil jovens entre 15 e 24 anos.

“Estamos falando de jovens com muito potencial, que querem se desenvolver e necessitam de oportunidades. Entregaremos prédios novos para os CJs e faremos do programa um dos nortes da nossa atuação à frente da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos”, afirma o secretário Catarina Paladini.

Além de abrir as portas do mercado de trabalho a moradores de regiões de alta vulnerabilidade social, o POD promove a aproximação de policiais nas comunidades. Com espaços seguros para a convivência, o desenvolvimento de habilidades e a sociabilidade transformam as vidas de centenas de famílias.

“Vamos disseminar a cultura da paz com um trabalho firme de prevenção à violência e à criminalidade. Como fazer isso, na prática? Investindo na cultura, no trabalho e no aprimoramento de talentos”, complementa Paladini. (Ascom/Piratini)

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.