Gravataiense com Sindrome de Asperger cursará Administração na UFRGS - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
O padastro Marcelo, Eduardo e a sua mãe Tatiana - Foto: Giulliano Pacheco/PMG

Gravataiense com Sindrome de Asperger cursará Administração na UFRGS

Eduardo Lampert, 18 anos, diagnosticado com Síndrome de Asperger, cursará Administração

Gravataí – O último ano do ensino médio é de expectativa para muitos estudantes. Uma época de Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), vestibulares e muitas horas em cima dos livros. Para Eduardo Lampert, de 18 anos, não foi diferente. O, agora universitário, passou em terceiro lugar em Administração na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio das cotas para candidatos com deficiência. O aluno concluiu o ensino médio na Escola Municipal de Ensino Médio Santa Rita de Cássia, mantida pela Prefeitura de Gravataí. A instituição oferece atendimento especializado às crianças e adolescentes que têm uma necessidade específica como Eduardo, que tem Síndrome de Asperger.

Publicidade

Desde a terça-feira, 28 de janeiro, dia em que foram liberados os resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a família de Eduardo é só alegria. A mãe, Tatiana Lampert, contou que esperou chegar em casa para avisar que eles já podiam conferir as notas. “Eu estava no serviço quando fiquei sabendo que a gente já podia saber do resultado. Cheguei em casa e perguntei se o Dudu (apelido carinhoso do Eduardo) tinha verificado. Ele disse que não e eu pedi para ele ligar o computador e entrar no site. Quando olhei pra tela, só consegui ler o “Parabéns” e “selecionado”, depois foi só festa”. Rindo, Tatiana lembrou que o filho foi carregado pelo padrasto, Marcelo, e os três irmãos, Henrique, Renato e Marcelo, para dentro da piscina em comemoração a vaga na universidade.

Eduardo, que foi efetivado na Mondial em dezembro, ainda está se acostumando com essa nova realidade. “Foi uma surpresa ter passado na UFRGS. O primeiro dia do Enem foi tranquilo. O segundo foi complicado, achei que tinha ido mal, que tinha tirado zero”, contou. Agora que sabe do resultado, ele faz planos para o futuro. “Quero fazer Administração e uma especialização em esportes eletrônicos”.

O papel da escola

Publicidade

A conquista da vaga na universidade é uma soma de diversos esforços. A dedicação do aluno, o apoio da família e o ensino da escola. Estudante da Escola Municipal Santa Rita de Cássia, Eduardo recebeu todo o suporte necessário enquanto estava no ensino médio. A instituição, que é uma referência no ensino de pessoas com necessidades específicas, foi uma peça importante na caminhada de Eduardo. O padrasto elogiou a equipe que trabalha na escola. “Todos no Santa Rita foram muito receptivos e atenciosos. A integração que os professores promovem é excelente. Eles são muito atenciosos.”

Renato, um dos irmãos de Eduardo, ressaltou que a instituição é referência no atendimento aos alunos com necessidades específicas. “É uma ótima escola. Ela tem tutores de Libras, auxiliares e psicopedagogos, por exemplo. Ela é inclusiva”. A mãe confirmou o bom trabalho e contou que essa atenção rendeu bons frutos. “A escola é boa e eficiente. O Eduardo fez o 2º e o 3º ano do ensino médio ali. No 3º ganhou uma bolsa pré-Enem e pré-Ufrgs por estar entre os quatro melhores da escola”.

Aluno destaque e um exemplo de sucesso, a diretora da escola Santa Rita, Kátia de Bem, também parabenizou a conquista do aluno. “O Eduardo sempre foi bastante comprometido, estudioso e responsável. Em nenhum momento suas necessidades afetaram o seu desempenho, ele só tinha notão. Ele é um aluno que gostaríamos que os outros fossem igual”.

Kátia também ressaltou a importância da equipe que trabalha na escola e como esse investimento na educação dá bons resultados. “Nós ficamos muito felizes com essa notícia. Os professores e toda a equipe fazem parte desta conquista. Estamos sempre buscando fazer o melhor”. A instituição conta com 12 profissionais direcionados para a Educação Especial. São monitores, agentes de apoio, mais três intérpretes de Libras, um professor responsável pelo atendimento individualizado, transporte especial e formações dedicadas a esses alunos. “É uma escola de todos e para todos”, afirmou Kátia.

A secretária Municipal de Educação Sonia Oliveira disse que a conquista de Eduardo é um exemplo e merece ser comemorada. “Essa vitória na vida do Eduardo é um reflexo do investimento que o município faz na educação. O Santa Rita de Cássia é uma escola que tem história e o Eduardo é mais um capítulo dessa linda trajetória. Ficamos muito felizes com essa conquista e desejamos a ele todo o sucesso nesta nova etapa da vida.”

Fim do Ensino Médio

Votado em 2015, o Plano Municipal de Educação (PME) prevê o fechamento da oferta do ensino médio pelo município até o ano de 2024. A diretriz foi construída e elaborada por todos os segmentos da comunidade escolar, Conselho Municipal de Educação, Sindicato dos Professores e Secretaria Municipal de Educação (Smed). Porém, a Prefeitura tem feito essa mudança de forma gradual para não prejudicar os alunos que já estão matriculados no ensino médio.

Apesar de ser responsabilidade do Estado, a Prefeitura segue investindo no ensino médio da Escola Santa Rita de Cássia até a data prevista no PME, 2024. De acordo com a diretora da escola, em 2020 foram matriculadas apenas duas turmas no 1º ano do ensino médio. “Nossa escola é referência em educação inclusiva, uma oportunidade que o Estado não oferece. Esse é um ponto positivo para o município, mas infelizmente nossas turmas de ensino médio estão acabando”, contou.

Para não prejudicar os alunos da região, a Escola Estadual Frantz Machado Charão, que fica ao lado da Santa Rita, desde 2019 passou a ofertar o ensino médio. Sonia Oliveira reforçou que a decisão não foi tomada sem um planejamento. “Nós estudamos a situação. Ampliamos as vagas de ensino fundamental e estamos absorvendo os alunos do Charão. Não haverá nenhum deslocamento dos alunos, eles não precisarão ir para outras comunidades. Fizemos isso também para podermos ofertar aquilo que é de nossa obrigação e que temos demanda reprimida, que é a Educação Infantil. De 2013 até o ano passado, por exemplo, dobramos o número de vagas de 3.266 para 6.862.”

Síndrome de Asperger

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), essa síndrome faz parte do Transtorno de Espectro Autista (TEA). Algumas das características de quem vive com a síndrome é a dificuldade no convívio social e na comunicação, além de interesses restritos e comportamentos repetitivos. Ela não afeta o aprendizado e nem a prática de outras atividades, mas pode causar isolamento e situações de comportamentos agressivos em determinadas fases da vida.

Publicidade

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.