Especialista fala como os relacionamentos estão reagindo à pandemia - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Sexóloga Lucinara Costa ressalta mudança de valores nas relações Foto: Álbum Pessoal

Especialista fala como os relacionamentos estão reagindo à pandemia

Pessoas casadas e solteiras estão revendo valores e prioridades na hora de buscar ou manter a relação

A quarentena não mudou apenas a rotina das pessoas, mas, principalmente, as relações interpessoais. Tanto para solteiros, quanto para os casados, o momento é de reflexão e mudanças.

Publicidade

De acordo com a sexóloga e especialista em relacionamentos, Lucinara Costa, nos últimos cinco anos, a cada cinco casamentos realizados em cartório, três acabaram em divórcio. Esse dado mostra que há algum tempo as pessoas estão mudando seus valores e princípios que geram felicidade. “O que antes mantinha uma pessoa presa a um casamento, como questões religiosas e culturais, já não é prioridade. Hoje o que se busca são relações mais saudáveis, entre duas pessoas que queiram estar juntas por respeito, com mais aceitação e tolerância, onde cada um consegue manter suas escolhas profissionais e pessoais. A pandemia está fazendo as pessoas reavaliarem suas vidas. Principalmente os casados estão se debatendo mais por ter este tempo maior de convivência. Já avaliam se vale à pena manter uma relação que não agrega”.

Para quem está solteiro, ou ficou durante a quarentena, a história é outra. As restrições fecharam bares, casas noturnas, shopping centers e até a circulação por praças e parques está sendo monitorada para evitar aglomerações. Nesse contexto, sem a alternativa de locais públicos, onde se possa haver uma melhor interação social, os solteiros estão recorrendo, ainda mais, aos aplicativos de relacionamentos e redes sociais.

Para a sexóloga, nos apps de relacionamentos a comunicação fica mais rasa e as pessoas têm pressa em conhecer, mas há desconfiança . “A pandemia aumentou essas características, pois ficou mais difícil ir para o presencial, por não haver lugares públicos disponíveis para esse encontro, que garantam certa segurança. Isso faz com que as pessoas fiquem por mais tempo na relação virtual”.

Publicidade

Lucinara explica que toda a situação gerada pelo novo coronavírus está fazendo com que as pessoas tenham mais sensibilidade e menos pressa, para realmente mostrar seus valores e entender a biologia dos relacionamentos. “Não adianta só se dar bem com o outro. Todos relacionamentos iniciam a mil maravilhas e depois começam a dar errado. Muitas vezes as pessoas não se separam por falta de amor, mas por falta de uma boa comunicação. Não basta só você falar o que o outro quer ouvir, e sim como o outro atende as tuas necessidades e vice-versa, como você identifica os sentimentos. Hoje as pessoas estão buscando se conhecer mais. A tecnologia veio para tornar tudo mais rápido e avançado, mas a principal necessidade é a possibilidade de as pessoas estarem conectadas de alguma forma”.

A pandemia veio para que as pessoas possam refletir e expandir sua consciência de que os relacionamentos interpessoais estão passando por grandes transformações. “Uma das dores da humanidade é a solidão. É importante, quanto homem ou mulher, se sentir com mais propósito. Estar em quarentena trouxe à tona a importância das conexões. Solteiros querem criar experiências para se relacionar e a forma como buscam isso vem mudando. Estão procurando aprender mais, buscando novos recursos como profissionais da área e também aprender mais como entender a mente das mulheres e dos homens, através de conteúdos online.

Segundo a especialista, homens e mulheres usam formas diferentes de comunicação e esse é o principal motivo de conflito. “Pensando nessa barreira, criei um aplicativo de relacionamentos, baseado nas leis da física quântica, com o objetivo de atrair pessoas com perfis cerebrais próximos. Após responder um questionário, as pessoas são interligadas de acordo com os objetivos em comum e valores. Por exemplo, uma pessoa está no app, mas não quer ter filho, e começa a conversar com outra que quer. Depois de horas de conversa é que se dão conta de que não buscam os mesmos objetivos, e se perde um tempo precioso, se conectando a uma pessoa que não compartilha das mesmas aspirações”.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.