Em busca de doações para o Comitê de Solidariedade e Banco de Alimentos - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Faça a sua parte, doe alimentos ao banco de alimentos - Foto: PMG

Em busca de doações para o Comitê de Solidariedade e Banco de Alimentos

Neste momento, pedido é de doação de dinheiro para diminuir a circulação de pessoas e aumentar a quantidade de mantimentos na hora da compra

Gravataí – Na grande maioria das vezes, comprar em maior quantidade e com o dinheiro em mãos barateia e faz com que possamos adquirir um número ainda maior de produtos. Pensando nisso e com o objetivo de organizar as doações, as lideranças do Comitê de Solidariedade ao Enfrentamento do Coronavírus e Banco de Alimentos de Gravataí firmaram uma parceria para direcionar a arrecadação de comida neste momento de crise sanitária. 

Conforme o coordenador-geral do Comitê, o secretário de Governança Luiz Zaffalon, esta união fará com que os esforços da sociedade possam ser melhor distribuídos e organizados. “Auxiliamos, recebemos e distribuímos as doações que o Banco de Alimentos nos trouxer e que serão muito bem-vindos.”

O presidente do conselho de administração do Banco de Alimentos, Roberto Bastiani, explica que neste momento, onde o mais recomendado é ficar em casa, a entidade está disponibilizando uma conta do Banco do Brasil para que qualquer pessoa possa colaborar. “Com os depósitos conseguiremos comprar em maior quantidade, o que deve baratear as unidades e fazer com que consigamos um volume ainda maior alimentos para a comunidade.”

Ele ainda revela que todas as ações terão prestação de contas nas redes sociais do Banco de Alimentos, que tem como presidente da diretoria Renato Rosa.  Para ajudar basta depositar qualquer valor no Banco do Brasil, agência : 0883-4, e conta: 40.670-8, no CNPJ: 10797057/0001-17. A entidade ainda pede que após a doação seja enviado uma cópia do recibo bancário para o whatsapp 999.999.433.

O Presidente do Comitê de Solidariedade ao Enfrentamento do Coronavírus, o prefeito Marco Alba, destaca que “neste momento são as pessoas de maior vulnerabilidade que mais precisarão da nossa ajuda, da nossa acolhida e do nosso cuidado. Por isso, a arrecadação de alimentos neste período é fundamental.”

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.