Cachoeirinha e Gravataí tinham envolvidos na caça e tráfico de animais silvestres - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Até cobras eram comercializadas ilegalmente - Foto: Polícia Civil/Divulgação

Cachoeirinha e Gravataí tinham envolvidos na caça e tráfico de animais silvestres

Operação policial foi realizada na manhã desta quinta-feira em 14 municípios

Na manhã desta quinta-feira (25), a Polícia Civil, por intermédio da 4ª Delegacia de Polícia de Canoas, com apoio do Comando Ambiental da Brigada Militar, deflagrou a Operação Arca com objetivo de combater o tráfico e caça ilegal de animais silvestres, maus-tratos aos animais e associação criminosa.

Foram cumpridos 5 mandados de prisão temporária e 44 mandados de busca e apreensão em 14 cidades do RS: Porto Alegre, Gravataí, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Cachoeirinha, Viamão, Minas do Leão, Barra do Ribeiro, Canoas, Sapucaia do Sul, Parobé, Portão, São Sebastião do Caí e Alvorada. 

Publicidade

As investigações iniciaram há 6 meses, após denúncias recebidas pela ONG Reprass, que noticiavam crimes contra animais e tráfico de armas. A associação criminosa é suspeita de comercializar diariamente, em grupos fechados e redes sociais, aves silvestres que chegavam a R$ 2.500,00 por espécime, além de outros animais silvestres como: Macaco Prego e Macaco Sagui, Coruja Suindara, Jiboia Albina, Tartarugas, Ouriço Pigmeu Africano, Jabuti e Iguanas. A quadrilha comercializava, ainda, armas longas ilícitas destinadas à caça predatória dos referidos animais.

Segundo a Delegada Tatiana, “a Operação representou a maior ofensiva ao tráfico e caça ilegal de animais silvestres da Região Metropolitana e Vale dos Sinos de todos os tempos, fruto de meses de investigação e monitoramento das atividades criminosas dos líderes da organização criminosa responsável também pela comercialização de armas de fogo utilizadas para a caça ilegal.

Publicidade

A delegada Tatiana ressalta que até a tarde desta quinta-feira, os policiais já haviam sido presas 14 pessoas, cerca de R$ 10 mil reais apreendidos. Além disso, os policiais apreenderam mais de 180 pássaros e cerca de 300 gaiolas e arapucas. Os pássaros serão levados para o IBAMA, onde receberam atendimento veterinário.

O Diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana – 2ªDPRM, Delegado Mario Souza, destaca que “a Operação ARCA é fundamental para inibir a ação de quem comete crimes contra animais e seus resultados inventivam a população a denunciar cada vez mais este tipo de crime.” Destacando que a “Operação Arca é uma operação especial, porque usa a logística de outras ações da polícia civil e a inteligência e permanente porque é ativa ininterruptamente.”

Os presos serão ouvidos e encaminhados ao sistema prisional. A ação, que contou com apoio aéreo da Polícia Civil, teve a participação de 235 policiais civis e militares, além de agentes do IBAMA.

error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.