Acusado do "golpe da arara" preso em Cachoeirinha tinha vida de luxo - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Arma apreendida pela Polícia - Foto: Polícia Civil/Divulgação

Acusado do “golpe da arara” preso em Cachoeirinha tinha vida de luxo

Com ele, os policiais apreenderam um revólver, aparelhos de celulares e dinheiro

Cachoeirinha – A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão ao Roubo e Furto de Cargas (DRFC), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), nesta quarta-feira, (24.), desencadeou a Operação São Vicente, que visa combater crimes de estelionato e associação criminosa em Cachoeirinha. Foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão e 2 mandados de prisão temporária, expedidos pela 17ª Vara Criminal de Porto Alegre.

Conforme a Polícia Civil, as investigações se iniciaram no ano de 2020, diante de denúncia de que indivíduos estariam atuando na receptação de cargas roubadas. No decorrer da investigação, contudo, verificou-se que a atuação dos investigados se dava de maneira mais contumaz nos crimes de estelionato, no vulgo “golpe da arara”, vale dizer: os indivíduos constituíam empresas, ganhavam credibilidade no mercado, realizavam compras com fornecedores e, posteriormente, deixavam de efetuar o pagamento.

Publicidade

Segundo o delegado Alexandre Fleck, o ato contínuo, repassavam tais empresas a “laranjas”, indivíduos sem nenhuma condição financeira de honrar os pagamentos, de maneira a lesar os credores e, então, revender as mercadorias em estabelecimentos comerciais de sua propriedade fática, mas, também, em nome de terceiros. Pelo apurado, o esquema já existe há alguns anos e é promovido por um mesmo núcleo familiar, gerando centenas de títulos protestados e prejuízos ainda não completamente totalizados, mas que podem chegar a mais de meio milhão de reais.

Fato curioso é de que o líder do esquema criminoso, embora ostente vida luxuosa e diversos bens, por estarem todos em nome de terceiros, fez uso do auxílio emergencial do Governo Federal em razão da pandemia de COVID-19. Um dos homens foi preso em Cachoeirinha, em sua residência. O outro não foi encontrado no local onde reside, mas em diligências posteriores foi localizado e preso em Cidreira.

Publicidade

Ainda, foram apreendidas uma arma de fogo em situação irregular, bem como aparelhos celulares, R$ 4.700,00 (quatro mil e setecentos reais) em espécie e documentos relevantes para as investigações. O Delegado Fleck ressalta que a Operação São Vicente marca nova etapa das investigações, as quais devem prosseguir para aprofundar detalhes dos crimes praticados pelo grupo criminoso. Após os trâmites de praxe, serão os presos conduzidos ao sistema prisional.

error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.