Violência doméstica foi tema de capacitação de servidores municipais - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
No final da ação elas receberam certificados - Foto: PMG/Divulgação

Violência doméstica foi tema de capacitação de servidores municipais

Ação foi organizada pela Casa Lilás, Assessoria de Políticas Públicas para Mulher, Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Gravataí e Comissão da Mulher da Câmara de Vereadores

Gravataí – A violência doméstica foi pauta de uma capacitação realizada através de uma parceria entre a Prefeitura de Gravataí, representada pela Casa Lilás, a Assessoria de Políticas Públicas para Mulher, o Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Gravataí e a Comissão da Mulher da Câmara de Vereadores. A ação ocorreu na tarde desta quarta-feira (7), no plenário da Câmara Municipal.

O evento, alusivo aos 13 anos da Lei Maria da Penha, teve as falas do vereador Alan Vieira, da Comissão da Mulher na Câmara e da presidente do Conselho Miriam Reis na abertura. A ação foi realizada com o objetivo de multiplicar o conhecimento sobre a Lei Maria da Penha e do serviço da Casa Lilás, para os servidores das áreas da saúde, educação e assistência social.

 Durante a tarde, foram realizadas palestras que trataram desde questões jurídicas às questões de saúde em casos de violência contra a mulher. As advogadas Caroline Azeredo e Kelen Lazzari trataram do ponto de vista judicial, principalmente envolvendo a Lei Maria da Penha. As profissionais falaram sobre as diferenças entre violência de gênero, doméstica e da mulher, além de trazer relatos de vítimas de agressões físicas e psicológicas.

Após isso, a professora do curso de Enfermagem da Ulbra Gravataí, Sandra Borges, falou sobre os aspectos da saúde e como os profissionais que ficam nos centros de atendimento podem identificar vítimas que estejam em atendimento. A docente também falou sobre o medo e as principais desculpas dadas por mulheres nesses casos, quando querem esconder a agressão. Luciane da Silva esclareceu quais são as políticas públicas disponíveis para apoio às vítimas no município e Analú Sonego contou sobre o atendimento psicológico e jurídico prestado na Casa Lilás e que o local não atende apenas mulheres que denunciaram seus parceiros, mas todas que buscam apoio e auxílio.

Compartilhe essa notícia