Vacina já estaria provocando queda nas internações por Covid em Cachoeirinha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

Vacina já estaria provocando queda nas internações por Covid em Cachoeirinha

Contágio segue com uma média móvel alta e abril foi o segundo mês com maior número de mortes desde o início da pandemia

Cachoeirinha – A média móvel de casos de Covid-19 em Cachoeirinha continua alta, embora tenha havido uma redução na comparação com a semana anterior. O número de mortes também segue elevado e abril foi o segundo na perda de vidas desde o início da pandemia.

Publicidade

O cálculo da média móvel é feito com exclusividade pelo site oreporter.net e aponta que na última sexta-feira (30), a média dos últimos sete dias ficou em 55 contagiados. O número está acima do verificado no ano passado e também é superior a praticamente todas as médias deste ano.

As internações, contudo, caíram. O Hospital de Campanha, quando fechou na sexta-feira, tinha apenas 3 internados. Nesta segunda-feira (3), o Padre Jeremias tem 11 internados em leitos clínicos e somente uma pessoa usando a ventilação mecânica.

Uma análise comparativa na distribuição dos casos por faixas etárias feita pela reportagem comparando dados de 23 de março com os informados no último boletim epidemiológico publicado pela Prefeitura em seu site, no último dia 23 de abril, mostra que idosos continuam figurando entre os que mais se contagiam. Não há dados, contudo, sobre o perfil dos internados, dos que acabam agravando e dos óbitos.

Publicidade

Comparativo – contágio por faixa etária

Faixa etária23/mar23/abr%
<1182433,33
1 a 49911314,14
5 a 9 14919530,87
10 a 1963978322,54
20 a 291756217323,75
30 a 392162267223,59
40 a 491908232021,59
50 a 591373173726,51
60 a 69827104926,84
70 a 7938148226,51
80 e +17421624,14

Mortes seguem em alta

  • Junho – 5
  • Julho – 11
  • Agosto – 31
  • Setembro – 24
  • Outubro – 24
  • Novembro – 18
  • Dezembro – 24
  • Janeiro – 22
  • Fevereiro – 17
  • Março – 108
  • Abril – 66

O que pode estar acontecendo?

A diretora técnica da secretaria municipal da Saúde, médica Fernanda Stringari, comenta que há uma nítida redução no número de casos graves apesar de a taxa de infecção continua elevada. Ela acredita que a vacinação já esteja fazendo efeito. “Nota-se uma diminuição de casos graves entre idosos e profissionais de saúde e isto está relacionado ao efeito da vacina”, salienta.

Outro ponto observado pela médica é que aconteceu um alívio na pressão sobre o sistema de saúde em Porto Alegre. Quando as UTIs Covid estavam lotadas, as internações acabavam acontecendo nos dois hospitais que operavam em Cachoeirinha, como o verificado em março. Agora, com sobra de leitos, muitos moradores de Cachoeirinha estão buscando atendimento em hospitais de Porto Alegre.

A reportagem não conseguiu dados atualizados da imunização em Cachoeirinha. A última informação disponível na secretaria municipal da Saúde era a de que 29.023 doses haviam sido aplicadas até o último dia 26 de março, incluindo a primeira e segunda aplicação.

Estudo mostra queda de mortes entre idosos com mais de 80 anos

Um estudo liderado pela Universidade Federal de Pelotas mostra que a proporção de mortes de pessoas de 80 anos ou mais caiu marcadamente desde o início da vacinação no Brasil. Durante o ano de 2020, as mortes de idosos se mantiveram no patamar de 25% a 30% de todos os óbitos por COVID-19.

As mortes nessa faixa etária representavam 28% do total de óbitos em janeiro, quando iniciou a campanha de imunização para grupos prioritários no país, entre eles os mais idosos. No final de abril, esse percentual recuou para 13% – o menor já registrado para o grupo etário durante toda a pandemia.

“Estudos têm demonstrado a associação entre vacinação e declínio no número de hospitalizações e mortes em populações como a de Israel, por exemplo. No entanto, até agora, nenhum dos estudos populacionais sobre mortalidade havia sido realizado em um cenário de predominância da variante P.1, como é o caso do Brasil”, diz o epidemiologista e líder do estudo Cesar Victora, da Universidade Federal de Pelotas.

Para as análises, os pesquisadores utilizaram dados sobre mortes por COVID-19 e cobertura vacinal contra o coronavírus registrados pelo Ministério da Saúde no intervalo de 3 de janeiro a 22 de abril. Nesse período, o país registrou 171.454 mortes por coronavírus.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.