Secretário diz que papagaio fala melhor do que cidadãos que reclamam da Saúde - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Dyego Matielo - Foto: Divulgação

Secretário diz que papagaio fala melhor do que cidadãos que reclamam da Saúde

Dyego Matielo falou em live sobre críticas e publicações em redes sociais que nascem pela falta de transparência nas ações de enfrentamento ao novo coronavíris

Cachoeirinha – A falta de transparência em dados relacionados aos enfrentamento do novo coronavírus em Cachoeirinha tem levado muitas pessoas a fazerem reclamações em redes sociais. O secretário da Saúde, Dyego Matielo, disse esta semana, em live transmitida pelo Facebook, que um papagaio “até fala melhor” do que cidadãos que fazem desabafos e reproduzem em seus perfis comentários e experiências negativas vivenciadas ao procurar atendimento quando suspeitam de estarem com o novo coronavírus.

Publicidade

“Tem gente falando por aí. Tem gente que pra falar, qualquer um fala. Até um papagaio fala. O papagaio fala bem, até fala muito melhor que gente que anda passando pela internet aí. Então, tem vez que é melhor um papagaio falando”, disse, fazendo sinal de bico de papagaio com a mão direita e sorrindo.

Ele se referia, sem citar nomes, primeiro ao veredor Marco Barbosa, que dias antes levantou questionamentos sobre o fato de o hospital de campanha não aparecer no painel Covid do Estado, que mostra apenas dados do hospital Padre Jeremias. E também a quem concordou com o parlamentar e a outras pessoas que passaram a relatar o sofrimento e falta de informação em procedimentos na rede montada para atender casos de sintomas gripais.

“Algumas coisas surgiram aí pela internet, ainda bem que o povo não está dando muita bola para essas coisas e está ouvindo as pessoas que trabalham seriamente. Se tiver alguma dúvida, vem e pergunta direto para mim, não sai largando nada na internet. A gente nunca se furta em dar informação e muito menos de atender as pessoas”, disse na live da última segunda-feira.

Publicidade

Assista ao vídeo em que o secretário afirma que papagaio fala melhor que muitas pessoas:

SAÚDE: 373 casos confirmados de coronavírus, cinco internados, 190 recuperados, 1.813 testes realizados e cinco óbitos. #LaveAsMãos 🙏 #UseMáscara 😷 #FiqueEmCasaSePuder 🏡 #CachoeirinhaUnidaContraOCorona

Posted by Prefeitura de Cachoeirinha on Monday, June 29, 2020

O secretário ressaltou que o hospital de campanha estava no que ele chama de regulação do estado. A informação, conforme oreporter.net apurou, não significava que houvesse um reconhecimento do Estado para a estrutura e os dados sequer fazem parte dos indicadores utilizados pelo modelo de Distanciamento Controlado para a definição da cor da bandeira na região.

O prefeito Miki Breier ficou surpreso com o apurado pela reportagem. Nesta quinta-feira (2), após a divulgação da matéria, foi anunciado que o Estado reconheceu o cadastramento, e não credenciamento como fala o secretário, dos leitos no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, do Ministério da Saúde. O secretário decidiu fazer cobranças ao Estado e obteve a liberação do sistema para o lançamento dos dados.

Também foi corrigida a informação sobre os oito leitos de UTI Covid que constavam como privados, e não SUS, no Sistema de Gerenciamento de Internações (Gerint). O erro foi descoberto pela reportagem e informado, o secretário disse que “talvez fosse por isso” que a cidade não estava recebendo pacientes de outras cidades para ocupar as UTIs ociosas. Ele prometeu buscar solução e nesta quinta afirmou que a correção foi feita.

“A gente nunca se furta de dar informação e muito menos de atender as pessoas”, reforçou o secretário durante a live antes de falar, de forma genérica, sobre a estrutura do hospital de campanha. Desde que assumiu, o secretário sempre teve relutância em abrir dados da estrutura Covid em Cachoeirinha para a produção de matérias jornalísticas. Sempre seguiu a linha de falar de forma genérica, como “está tudo funcionando”, mas sem os detalhes. Durante tentativas de entrevistas, questionado sobre dados indispensáveis para serem levados aos leitores, demonstrava certa irritação.

Nesta quinta, não quis dar entrevista sobre o que poderia mudar no protocolo de testes de Covid depois que uma mulher, com todos os sintomas do novo coronavírus, relavou seu sofrimento para saber se estava ou não com a doença. Ela só conseguiu depois de revelar seu drama em redes sociais e várias pessoas passaram a relatar os problemas que também vinham enfrentando. E os relatos aumentaram quando ela postou o resultado positivo para Covid-19.

Na Câmara, o vereador Rubens Otávio se referiu ao caso da mulher que contou seu drama de 10 dias de febre e outros sintomas da doença. “Ela fez uma carta aberta. Todo mundo perdido na UPA. A população está a mercê. Muitas pessoas reclamando dizendo, olha, o pessoal está com sintoma aqui há 7 dias, 8 dias, 10 dias, fez contato com a secretaria e até agora ninguém fez contato. Imagine se essas pessoas, em algum momento, pela inércia do Poder Público, acabem saindo para a rua contaminando outras pessoas, dezenas, centenas de pessoas”, criticou.

O parlamentar revelou outro caso de uma pessoa, colocando no sistema de som um áudio que recebeu,  que se cadastrou no aplicativo e não consegue ser atendida. O vereador Ibaru Rodrigues também entrou no assunto e revelou um drama de “entes queridos” que estão internados no hospital de campanha. Ele disse que estava analisando buscar uma medida judicial para tentar leito em outro hospital. “O hospital não suporta, ou não comporta, a doença. Então, eu não sei o que é o hospital de campanha. Está bem complicada a situação. Eu gostaria, que até mesmo os vereadores da base de governo possam nos ajudar para que a gente possa ver o que está acontecendo lá”, disse, ressaltando que não quer chutar a porta para entrar na estrutura e saber “porque o hospital de campanha, que deveria ter uma UTI, não tem”. Rubens Otávio completou: “O prejuízo é para o povo. Porque a falta de transparência prejudica e cria prejuízo para o povo”.

O secretário da Saúde jamais explicou que tipo de UTI existe no hospital de campanha e nunca deu detalhes de que o atendimento dentro do Ginásio da Fátima possui limitações técnicas comuns e naturais a uma estrutura provisória. As UTIs são úteis e uma já foi utilizada, mas se o paciente possui outras doenças vai precisar de um hospital com uma unidade de tratamento intensivo de maior complexidade. Sem esta informação, conforme a reportagem tem acompanhado, muitas pessoas acham que a Prefeitura dispediçou dinheiro, o que não é verdade. O que falta é informação e transparência.

Rubens Otávio também comentou na Sessão da última terça-feira o fato de os dados do hospital de campanha não serem utilizados para o Distanciamento Controlado, fato só revolvido pelo secretário da Saúde depois de oreporter.net fazer a revelação que surpreendeu o prefeito Miki Breier.

“Não se contabiliza o hospital de campanha [no Distanciamento Controlado] e ninguém sabia disso, o prefeito está desinformado, disse, ah, eu não sabia. Ah, não é erro, ok, não saber, mas tem o secretário que diz estar lá pra isso, secretário da Saúde, que também não sabia”, pontuou ao continuar as críticas sobre a falta de transparência na Saúde.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.