Saiba quem são os suspeitos do ritual satânico em Gravataí - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Templo em Gravataí - Foto: Polícia Civil/RS

Saiba quem são os suspeitos do ritual satânico em Gravataí

A Polícia Civil divulgou na manhã desta segunda-feira (8) o nome das sete pessoas suspeitas de estarem envolvidas no esquartejamento de duas crianças em um ritual satânico que teria sido realizado em um templo localizado em um sítio em Morungava, em Gravataí.

Segundo o delegado da 2ª Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo, Moacir Firmino, quatro estão presos e os outros três com a prisão preventiva decretada. As primeiras prisões foram realizadas no dia 27 de dezembro. Silvio Fernandes Rodrigues, chamado de o “bruxo”, foi um dos primeiros e é acusado de comandar o ritual satânico.

Firmino destaca que Silvio é muito conhecido no meio e em seu site se dizia condecorado. Ele chegou até a ter um programa especial exibido pelo canal fechado History Channel apenas em países de língua espanhola.

Publicidade

Templo em Morungava, em Gravataí – Foto: Reprodução

Outro preso é Jair da Silva, o homem que teria contratado o ritual em busca de prosperidade. Ele queria vender uma área de terras em Novo Hamburgo e pedaços dos corpos das crianças foram encontradas nela. O delegado explica que o ritual previa que partes dos corpos deveriam ser colocadas na área formando um quadrado ou losango. O terceiro preso é o filho de Jair, Andrei Jorge da Silva. Ele é acusado de ter participado do ritual em Gravataí. O quarto homem que está em prisão temporária é Márcio Miranda Brustolini, preso na última sexta-feira. A Polícia ainda está apurando sua participação no crime.

Estão foragidos Anderson da Silva, também filho de Jair, Paulo Ademir Norbert da Silva, sócio de Jair, e Jorge Adrian Alves. Este último é argentino e suspeito de ter trazido as duas crianças da Argentina. Segundo o delegado, o menino teria entre 8 e 10 anos e a menina, entre 10 e 12 anos.

Publicidade

A Polícia suspeita que eles tenham sido trocados por um caminhão roubado no Brasil. As crianças seriam da província de Corrientes. Jorge, o argentino foragido, teria relações com moradores de Corrientes e também de Missiones. A perícia não localizou informações no Brasil de crianças desaparecidas com as características das encontradas esquartejadas e nem dados em bancos de DNA.

O crime

Jair da Silva foi apresentado ao “bruxo”, segundo o delegado Firmino, pelo seu sócio, Paulo Ademir Norbert da Silva. O preço acertado para o ritual seria de R$ 25 mil. O “bruxo” teria pedido duas crianças de mesmo sangue. Silvio também teria arcado com as despesas para trazer os irmãos da Argentina.

No dia 4 de setembro do ano passado, moradores da Estrada Porto das Tranqueiras, em Lomba Grande, em Novo Hamburgo, moradores encontraram partes dos corpos em sacos e caixas de papelão e avisaram a Polícia. Foram encontrados os troncos e partes dos membros. Duas semanas depois, no outro lado da via, foram localizadas mães e pés. As cabeças das crianças ainda não foram encontradas.

Depois de um pouco mais de quatro meses, a Polícia efetuou as primeiras prisões. O motivo para o ritual, conforme o delegado, seria o de atrair prosperidade para os negócios da empresa dos sócios facilitando a venda de uma área de terra e de veículos. Todos os presos, segundo o delegado, negam envolvimento com o crime.

Fotos no templo divulgadas pela Polícia Civil nesta segunda

 

error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.