Questionamentos do TCE são normais, afirma Miki sobre o hospital de campanha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Miki afirma que medidas tomadas até agora foram acertadas - Foto: Reprodução

Questionamentos do TCE são normais, afirma Miki sobre o hospital de campanha

Prefeito destacou em live nesta terça-feira (7) que o hospital de campanha já salvou vidas e que abriu sindicância para apurar se aconteceu alguma falha

Cachoeirinha – O prefeito Miki Breier comentou nesta terça-feira (7) apurações que o setor de auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE) vem fazendo sobre a contratação da empresa Salva Saúde para a montagem da estrutura do hospital de campanha e aluguel do material por 90 dias, cujo prazo se encerra no final deste mês.

Publicidade

Os auditores requereram uma medida de Tutela de Urgência, que está em análise no TCE, para proibir a renovação do contrato. Entre as possíveis irregularidades, ainda não tornadas públicas, está a ausência de contrato e falta de pesquisa de preços. A Prefeitura já encaminhou a resposta aos questionamentos e no que tange a falta de pesquisa de preços, o argumento principal é de que a empresa contratada era a única que tinha disponibilidade de fazer a montagem da estrutura.

Durante a live transmitida pelo Facebook na parte da manhã, Miki explicou que questionamentos do Tribunal de Contas são normais. “Aqueles que criticam o nosso hospital de campanha, e é importante dizer para a comunidade, questionamento do Tribunal de Contas é algo normal dentro de uma administração. Vem os questionamentos e a gente responde. Não há nenhuma denúncia de nada, nem de superfaturamento, nada disso. Se tem alguns erros formais, a gente responde, toma as medidas”, disse.

Miki ressaltou que determinou a abertura de uma sindicância para apurar se aconteceu algum procedimento administrativo errado. “Abrimos um processo de sindicância para ver se teve algum problema, mas o hospital está cumprindo o seu papel, que é salvar vidas. Já salvamos algumas vidas. Teve gente entubada, cinco pessoas tiveram que usar respiração mecânica e tem gente lá que precisa passar pelo nosso hospital ou para ir para casa ou para outro atendimento.”, salientou.

Publicidade

O prefeito ainda argumentou que foi um acerto se antecipar na preparação do hospital e na adoção de medidas restritivas ainda em março, quando a pandemia recém havia começado a dar seus sinais no Estado. Cachoeirinha, segundo Miki, tem a menor mortalidade da Região Metropolitana, conforme dados do Estado. “Nós temos 1,5 óbitos em comparação aos casos confirmados. Temos, infelizmente, sete óbitos na cidade, a gente sempre lamenta, mas na região temos a menor taxa de letalidade. E também outro dado importante que é o índice de recuperados. 72%. Só São Leopoldo está na frente com 76%”, disse.

Miki salientou que há poucos casos graves. Neste terça, Cachoeirinha tinha seis internados em outros hospitais e quatro no hospital de campanha.  “Isso demonstra que nós acertamos em ter tomado as medidas”, frisou.

Nesta terça pela manhã, a cidade tinha 558 casos confirmados e 387 recuperados. Foram aplicados 2.218 testes.

LEIA MAIS

TCE investiga hospital de campanha; Miki abre sindicância

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.