Projetos aprovados pela Câmara não podem ser engavetados, defende Jussara - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Jussara Caçapava - Foto: Arquivo

Projetos aprovados pela Câmara não podem ser engavetados, defende Jussara

Presidente o Legislativo fez uma crítica à prefeitura na última Sessão cobrando cumprimento de leis aprovadas na Casa

Cachoeirinha – O assunto principal da última Sessão da Câmara de Vereadores foi os inúmeros problemas com a Corsan na cidade e a presidente do Legislativo, Jussara Caçapava, chegou a sugerir a apresentação de um projeto prevendo uma taxa mínima aos consumidores. Ela, contudo, caminhou para um desabafo e fez críticas ao Governo.

“A Corsan é um caos em Cachoeirinha. Não tem mais o que fazer. Se não tiver mais alternativa, a gente vai ter que fazer um projeto de lei para que a população pague uma taxa mínima. Vamos ver juridicamente o que podemos fazer”, comentou.

Publicidade

Um dos problemas com relação a Corsan é o não conserto de vazamentos de água. Apesar de informada, ela leva muitos dias para ir até o local e se o morador estiver sem água, fica sem alternativa. Um caso desse acontece no Parque da Matriz.

Jussara não se limitou a convidar colegas para uma análise sobre o que pode ser feito. Ele foi mais longe, seguindo a linha de que quando há multas, os serviços são melhores. Mas para isso é necessário haver fiscalização e, neste caso, o papel é da prefeitura.

Publicidade

A presidente ressaltou que não adianta o Legislativo aprovar projetos se eles não são colocados em prática. Ela citou o caso de iniciativas dela dando nome a praças que repousa em alguma gaveta há pelo menos três anos.

“No meu primeiro mandato, cheguei feliz da vida para fazer projetos. Como fazer projeto, de que jeito? A gente faz projeto e ele vai para a gaveta. Não tem fiscalização. A Câmara é para fazer projeto e não podem engavetar”, salientou.

A parlamentar destacou que integra a base do Governo mas isto não a impede de fazer observações e críticas com relação ao que vê de errado. “Estou no Governo, sou PSB, por eu levar essa sigla de socialismo, a gente tem que exercer e cobrar. Socialista não é só para falar bonito. Temos que fiscalizar e buscar. Desanimei em pensar em projetos. A gente faz o projeto e depois eles morreram. Meus projetos foram engavetados. Vamos respeitar. Sou mulher e tenho os mesmo direitos”, desabafou.

Publicidade

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.