Programa para pessoas com autismo completa três anos no RS – oreporter.net – Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

Programa para pessoas com autismo completa três anos no RS

Trabalho desenvolvido de forma conjunta pelas redes de saúde, educação e assistência social já realizou 11.253 atendimentos

Para marcar o Dia Mundial de Conscientização do Autismo desta terça-feira (2), o governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde (SES), faz um balanço dos resultados do Programa TEAcolhe, voltado para pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e suas famílias. 

Publicidade
Publicidade

Em três anos de funcionamento, o trabalho desenvolvido de forma conjunta pelas redes de saúde, educação e assistência social já realizou 11.253 atendimentos, 1.871 acolhimentos a famílias e 2.107 atividades de educação permanente, com 83.624 pessoas capacitadas no Rio Grande do Sul. 

Publicidade

O TEAcolhe dispõe de 28 centros regionais, cinco centros macrorregionais e 23 centros de atendimento em saúde (CAS) em funcionamento em todo o Estado. Em fevereiro deste ano, foi anunciada a ampliação do número de CAS. 

Serão 20 novos locais de atendimento. Seis deles já se encontram habilitados (última etapa antes de entrar efetivamente em funcionamento) e 14 estão em processo de contratação. 

Publicidade

Há ainda outros três centros macrorregionais e dois regionais que estão em fase de pactuação, os quais ampliarão a cobertura no Estado.

Pioneirismo 

O TEAcolhe foi lançado em abril de 2021 e possui um modelo de atendimento que é pioneiro no Brasil. Ele surgiu com o objetivo de aprimorar e fortalecer as redes locais de saúde, educação e assistência social que prestam assistência.

O programa funciona de forma integrada e abrange as pessoas com o transtorno e seus familiares, escolas, serviços da rede de assistência social, unidades de saúde da atenção primária, centros de atendimento especializados, entidades não governamentais e comunidade em geral.

O acesso ao atendimento é realizado a partir dos registros e solicitações feitos pelas secretarias municipais de saúde e regulado via sistema de gerenciamento de consultas (Gercon).

Incentivos 

Cada centro macrorregional de referência recebeu do governo do Estado, em parcela única, um incentivo para implantação de R$ 200 mil e incentivo de custeio mensal de R$ 50 mil reais. Cada centro regional recebe R$ 30 mil para custeio mensal. Os CAS do TEAcolhe recebem, por sua vez, um incentivo de custeio mensal no valor de R$ 80 mil. 

error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.