Polícia investiga possíveis crimes na tentativa de compra de móveis escolares - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Polícia quer saber se houve tentativa de crimes - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Polícia investiga possíveis crimes na tentativa de compra de móveis escolares

Operação Academus teve sequência nesta quarta-feira. Foram cumpridos mandados em Cachoeirinha e Gravataí entre outros municípios

O Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) foi um dos alvos da Operação Academus desencadeada nesta terça-feira (23) e que teve continuidade na manhã desta quarta-feira (24) pela Polícia Civil. O objetivo de apurar se houve crimes licitatórios, corrupção, associação/organização criminosa, entre outros contra a administração pública. Foram cumpridos 12 mandados judiciais de busca e apreensão em Porto Alegre, Cachoeirinha, Encantado, Esteio, Gravataí, Viamão e Taquaritinga/SP.

Publicidade

Conforme a apuração das investigações, funcionários públicos juntamente com empresários do ramo moveleiro do interior do Estado de São Paulo, agiram para direcionar ao menos dois processos licitatórios com o objetivo de estabelecer uma Ata de Registro de Preço de mobiliário escolar e corporativo no valor total de R$ 396.315.500,00.

Um aconteceu em 2019 e após uma medida cautelar do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE/RS), por considerar haver superfaturamento na maioria dos preços constantes no edital, ele foi cancelado. O TCE/RS repassou informações para a Polícia Civil que decidiu fazer a investigação.

Os mobiliários escolares não foram adquiridos pelos municípios associados no primeiro edital promovido, e um segundo edital com o mesmo objeto teve como vencedora a mesma empresa moveleira, conforme a Polícia Civil. Nas duas oportunidades, houve diversas adesões as atas de registro de preço por Estados e Municípios de outras unidades da Federação.

Publicidade

A ação, que contou com o apoio das demais Delegacias de Polícia do DEIC e da Polícia Civil do Estado de São Paulo, tem como objetivo localizar e apreender documentos, equipamentos eletrônicos, entre outros elementos de informação quanto à autoria e materialidade dos crimes investigados. A reportagem entrou em contato com o delegado responsável pela operação, Max Otto Ritter, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.