Os detalhes da nova alternativa do traçado da ERS-010 em Cachoeirinha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

Os detalhes da nova alternativa do traçado da ERS-010 em Cachoeirinha

Empresa contratada pelo Daer apresentou quatro alternativas, mas no caso de Cachoeirinha somente uma delas é novidade

Cachoeirinha – O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) para a implantação e pavimentação da ERS-010, apresentado pelo governador Eduardo Leite a prefeitos e deputados da região nesta segunda-feira (3), traz uma novidade para o caso de Cachoeirinha.

Publicidade

No total, são quatro alternativas, sendo que duas delas iniciam na ERS-118 e deixam Cachoeirinha de fora do projeto. A primeira alternativa foi incluída no EVTEA tomando por base a diretriz do anteprojeto existente hoje e que estava na Parceria Público Privada deixada em andamento pela governadora Yeda Crusius em 2010 e sepultada no ano seguinte pelo governador eleito, Tarso Genro.

Passados 10 anos, o cenário em Cachoeirinha mudou muito e áreas que integravam esse traçado passaram a ser habitadas, sejam por invasões ou construções de novos loteamentos, além de prédios empresariais.

Nesta alternativa 1 (linha vermelha nas imagens), a ERS-010 tem seu traçado iniciando no final da Assis Brasil e vai costeando a área do Irga até se encontrar com a ocupação da Rua Quatro e sair na Avenida das Indústrias. Dali, o traçado segue costeando a divisa de Cachoeirinha com Canoas até o condomínio City Parque. Passa por dentro dele e toma a direção da avenida Frederico Ritter pegando empresas e parte do Cemitério Memorial da Colina.

Publicidade

Neste ponto, a ERS-010 cruza a Ritter e segue na direção da ERS-118 passando sobre dois loteamentos que foram construídos nos últimos anos. No resumo do traçado, a empresa contratada para fazer o EVTEA relaciona que há 42 edificações em núcleos urbanizados, 270 na área da Rua Quatro e dois loteamentos do Minha Casa Minha Vida com 480 habitações. No caminho ainda tem três indústrias mecânicas, um centro de distribuição, 17 torres de energia, um posto e combustíveis, um pavilhão e o cemitério.

Na alternativa 2 (linha azul nas imagens) para o traçado, que vai até Sapiranga com cerca de 41,5 quilômetros de pista simples, o estudo desvia da maioria dos obstáculos existentes hoje em Cachoeirinha. Ele também inicia no final da Assis Brasil, na entrada de Cachoeirinha, e segue margeando o traçado da alternativa 1 até a Avenida das Indústrias. Na ocupação irregular da Rua Quatro são afetadas 80 moradias. Deste ponto, o traçado segue na direção do loteamento City Park, mas passa nos fundos dele e entra em Canoas.

O traçado retorna para Cachoeirinha entrando na reserva ambiental da Souza Cruz. Neste ponto, a empresa encontrou uma ocupação irregular com 32 moradias e cinco edificações em área regular. Deste ponto, a ERS-010 vai na ERS-118. Nesta alternativa 2, haveria acesso à Cachoeirinha na Avenida das Indústrias, na rua Cristiano J. Nascimento e na ERS-118.

As outras duas alternativas

As outras duas alternativas para o traçado da ERS-010 deixam Cachoeirinha de fora e o trânsito de quem for buscar a rodovia teria que ser absorvido pelo sistema viário da cidade existente hoje, especialmente a Frederico Ritter. As alternativas 3 e 4 iniciam na ERS-118, em Gravataí. A 3 inicia (linha amarela nas imagens) na altura do final da Avenida Marechal Rondon passando pela Eletrosul seguindo até Sapucaia do Sul pela zona rural de Gravataí.

A alternativa 4 (linha roxa nas imagens), iniciando também na ERS-118, começa no viaduto da Avenida Frederico Ritter e segue pela Zona Rural se encontrando com o traçado da alternativa 3 passando ao lado da empresa Pró-Ambiente. O ponto de encontro fica cerca de 1,5 quilômetro à frente. Este traçado da alternativa 3 se encontra com o traçado da alternativa 2 em São Leopoldo e segue até Sapiranga (linhas amarela e azul, na imagem abaixo).

O que vai acontecer agora

O governador, na reunião de segunda, informou que a fase seguinte é da análise do estudo por parte de prefeitos e deputados que deverão enviar sugestões. Em Cachoeirinha, o prefeito Miki Breier designou o secretário da Planejamento e Captação de Recursos, Jaime Braz da Silva, para conduzir este assunto. O secretário disse à reportagem que nesta terça-feira (4) já inicia a análise do EVTEA.

O vereador David Almansa (PT) também está acompanhando o assunto. Ele vai se reunir com o secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella, no próximo dia 12. A principal preocupação do parlamentar é com as famílias da ocupação da Rua Quatro. O vereador também quer que o debate não fique restrito a prefeitos e deputados. Segundo ele, entidades de classe também precisam ser ouvidas em função do impacto que a rodovia vai causar na cidade.

Alternativa para desafogar a BR-116

O traçado da ERS-010 é visto como alternativa para desvio do tráfego da BR-116, contornando a região metropolitana de Porto Alegre e formando um anel viário em conjunto a outras rodovias, como a BR-448. Envolve indiretamente cerca de 90 municípios e diretamente, 11.

“O EVTEA é uma etapa fundamental desse processo do planejamento da rodovia, principalmente considerando as várias interferências relacionadas à região complexa em que se insere o traçado”, detalha o diretor-geral do Daer, Luciano Faustino. “Esse estudo será um subsídio importante para a futura elaboração de um projeto que atenda a todas as expectativas da região e as condições técnicas necessárias.” O Daer é o responsável por receber as sugestões e conduzir o estudo.

Clique aqui e faça download do estudo apresentado.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.