Opinião: o maior erro é de Miki? - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

Opinião: o maior erro é de Miki?

Prefeito enfrenta uma crise com vereadores que se criaram em meio a um modelo de política que sustentou um grupo político por 16 anos

Vou começar essa coluna citando um exemplo que pode fazer parte da vida real de muitas famílias. O casal se separa e o filho único chega as 16 anos depois de ter sido criado tendo todas as suas vontades, ao menor choro ou revolta, sempre atendidas por quem ficou com a guarda.

Quem o criou morreu e restou continuar a vida ao lado da mãe ou pai até então distante. Nesta nova jornada, o filho descobre que as regras mudaram. É lógico que a rebeldia vai aumentar. Nem todas as vontades sempre atendidas serão mantidas.

Passando para a política, que tem o PSB no governo há 16 anos, sem contar a gestão Miki/Maurício, é mais ou menos o que vem acontecendo em Cachoeirinha.

Na Câmara, vereadores da base, e todos eram da base, estavam acostumados com uma forma diferente de governar. Os últimos prefeitos davam a eles o necessário para que pudessem atender os intermináveis pedidos da base eleitoral, desde o básico, como a troca de uma simples lâmpada, até algo mais complexo, como uma licença para uma festa. Tudo pelo voto.

Todo mundo sabe que o maior problema de uma pessoa é o buraco na frente da sua casa. E para ela não interessa a falta de dinheiro ou a destinação dele para a obra de uma creche. É normal que os vereadores eleitos sejam o alvo das reclamações, pois passam o dia em contato com seus eleitores. E isso causa neles um desconforto sem fim, algo que precisa ser reconhecido.

Acho que o governo Miki peca em um ponto: dar explicações aos vereadores para que possam repassar aos eleitores. E o principal: insistir para que realmente entendam. Volto ao filho para dizer que ele vai berrar porque não recebeu o dinheiro para ir na festa com os amigos. Mas ele recebeu a explicação em detalhes ou simplesmente não quer saber de nada, merecendo sem encaminhado para o internato?

Nesta segunda, na Sessão Especial na Câmara de Vereadores para o prefeito fazer o relatório da gestão, o vice Maurício Medeiros usou a palavra para dizer em alto e bom som: “Neste governo não há corrupção!” Foi aplaudido por mais de 70 pessoas. Verdade, eram os sempre incompreendidos CCs. Mas eles estão lá dentro do governo todos os dias vendo o que acontece.

Nós temos aqui um quadro que merece reflexão. Tanto se fala em uma nova política. Mas qual é essa nova política? Retorno ao início da coluna: o novo pai ou mãe deve continuar atendendo a vontade do filho ou tentar enquadrá-lo dentro de uma nova realidade? O diálogo está sendo adequado? Eu deveria dar uma opinião e não fazer uma pergunta lá no título. Preferi, contudo, tentar provocar uma reflexão. Termino questionando se o novo tutor deve fazer todas as vontades do filho. Quem quiser pode se manifestar no espaço dos comentários logo abaixo.

Compartilhe essa notícia