OPINIÃO: o estarrecedor “gabinete do ódio” precisa ser investigado - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

OPINIÃO: o estarrecedor “gabinete do ódio” precisa ser investigado

Na noite desta sexta-feira (13), lives no Facebook revelaram um possível esquema para atacar candidatos

São estarrecedoras as imagens divulgadas na noite desta sexta-feira (13), em lives no Facebook, revelando o que está sendo chamado de “gabinete do ódio”. Um grupo no whatsapp atribuído a pessoas apoiadoras da candidatura do vereador Rubens Otávio a prefeito discutem estratégias de ataques a adversários. O PP, do candidato a prefeito Delegado João Paulo, figura como principal alvo e em dado momento a candidata a vice na chapa de Rubens, a vereadora Jacqueline Ritter, chama a atenção do grupo para centrar a atenção no candidato do PSB, Miki Breier. “Grupo, eu acho importante nós ver as questões do Miki, esse sim tem que ser o alvo”.

Publicidade

O perfil Junior Renato revela em vários momentos que o consideravam fake e, mostrando o rosto, afirmava que não era. Em uma das lives que transmitiu, ele mostrou ao vivo a preocupação que se abateu sobre integrantes do chamado “gabinete do ódio”. Recomendavam para ninguém assistir para evitar que o Facebook desse destaque mostrando a transmissão para mais pessoas. Outro sugeriu que era necessário fazer mais de 50 denúncias no Facebook para derrubar o streaming. Tudo ao vivo.

Um dos integrantes do grupo, em dado momento, comenta que tudo não passava de montagens e que ele poderia fazer o mesmo. Este colunista teve acesso às gravações originais que foram usadas nas lives. Não são montagens. Nas conversas dentro do grupo outro integrante revela a existência de perfis falsos usados para atacar adversários. Já uma voz feminina posta um vídeo montado para atacar o candidato e vice-prefeito, Maurício Medeiros, na chapa de Miki. Afirma textualmente que foi enviado pela candidata a vice Jacqueline Ritter.

Todas as revelações feitas por Junior Renato ainda estão no Facebook e ele diz, em dado momento, que chegou a ser ameaçado de morte. Junior Renato acabou entrando no grupo por convite e foi monitorando tudo o que acontecia e gravando desde o início da campanha. Esta campanha eleitoral em Cachoeirinha é uma das mais “sujas” da história recente da cidade. Eu próprio foi ameaçado de apanhar se sair na rua. O caso já está sendo tratado pela Polícia Civil.

Publicidade

O que foi divulgado pelo Facebook na noite desta sexta também precisa ser investigado. Provocado, e imagino que vá ser, o Judiciário precisa responder. A Polícia Civil também precisa investigar a veracidade dos fatos e se constatada alguma irregularidade é necessário que os responsáveis sejam punidos. É muito grave a existência de um “gabinete do ódio” para manipular o eleitor. Muito grave mesmo.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.