OPINIÃO: MBL pode implodir candidatura do delegado João Paulo - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí

OPINIÃO: MBL pode implodir candidatura do delegado João Paulo

Filiados ao PSL fazem parte do MBL Cachoeirinha e iniciaram a disseminação de notícias distorcidas e pseudo denúncias

Cachoeirinha – É ano eleitoral e alguns filiados do PSL, que Bolsonaro desembarcou depois de tantas coisas mal explicadas, resolveram criar um núcleo do MBL em Cachoeirinha. Sim, o PSL do pré-candidato a prefeito, Delegado João Paulo. E começaram a fazer uma série de publicações no Facebook distorcendo fatos e dando ares de denúncia para questões simplórias que fazem parte da política.

Inicialmente, publicaram um texto no site do MBL utilizando informações de matérias que eu produzi sobre a eleição da Mesa Diretora da Câmara acrescentando inverdades e atribuindo como fonte o site oreporter.net. Foram notificados extrajudicialmente e ainda queriam conversar. Após o caso ser passado para o jurídico da empresa, atenderam a notificação e excluíram a fonte.

Nos últimos dias, deram ares de denúncia para um áudio enviado pelo prefeito Miki Breier ao vereador Paulinho da Farmácia, no episódio da eleição da Mesa Diretora da Câmara. Um áudio que eu tive acesso no mesmo dia da eleição e que o próprio prefeito, em conversa comigo, não opôs nenhuma objeção se eu quisesse publicar. Não publiquei porque não há nada de mais em políticos conversarem para buscar apoio.

O presidente do PT, David Almansa, e o pré-candidato a prefeito pelo partido, Volnei Borba, saíram em defesa do prefeito, algo que pode parecer inacreditável, mas deve ser elogiado. A verdadeira política deve ser assim, sem irresponsabilidades, falsas denúncias e distorção de fatos. O debate deve ser no campo das ideias, projetos … e as críticas, construtivas.

Criticados pela imprensa local, integrantes do MBL resolveram atacá-la. Um deles compartilhou uma postagem de um blog anônimo no qual os veículos de imprensa que dão cobertura para a política local são classificados de “imprensa marrom”. E fazem ainda ilações mentirosas sobre o investimento em publicidade da Prefeitura, como se toda a verba que consta no portal transparência fosse destinada para sites e jornais, quando na verdade ali estão gastos com agência, panfletos, banners, placas e até o letreiro colocado lá na praça do Ecoturismo.

É bom que os integrantes do MBL saibam que a Constituição garante a livre manifestação do pensamento, menos o anonimato. É caso para o Ministério Público começar a agir. E também para uma ação judicial, incluindo quem compartilha mentiras e fatos distorcidos. No Brasil, desde sua criação, o MBL sofreu diversas ações judiciais pelas mentiras publicadas. O fake news chegou em Cachoeirinha. Só que aqui a coisa é um pouco diferente. Quem entrar na onda, vai se dar mal.

O MBL está colado no delegado João Paulo, pré-candidato do PSL, mesmo não querendo. Ele não tem nenhuma relação e não nem compactua com os absurdos, mas poderá ter sua candidatura implodida por quem poderia ser mais útil para a sociedade propondo um debate no campo das ideias e fazendo críticas construtivas.

Para quem quiser consultar quem é filiado a um partido, só precisa acessar o site do TSE. Aqui tem o link para baixar a listagem.

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.