“Miki não assumiu com 77% da receita comprometida com a folha” - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Vereadora mostra levantamento de dados que fez no site do Tribunal de Contas do Estado - Foto: Roque Lopes/oreporter.net

“Miki não assumiu com 77% da receita comprometida com a folha”

Afirmação é da vereadora Jacqueline Ritter. Segundo ela, índice está errado e governo vem usando ele mesmo sabendo disso

Cachoeirinha – O prefeito Miki Breier não assumiu a Prefeitura em 2017 tendo que destinar quase R$ 8,00 de cada R$ 10,00 arrecadados para pagar a folha do funcionalismo. O percentual de comprometimento da receita de 77,67%, segundo a vereadora Jacqueline Ritter disse na Tribuna da Câmara na noite desta terça-feira (11), está errado e o governo sabe disso.

“Certas coisas não condizem com a verdade. Os 77% são uma falácia. Na época, no último quadrimestre, ocorreu um erro com o lançamento duplicado da cota patronal do Iprec. A equipe de transição do governo sabia disso”, afirmou a parlamentar, salientando que na verdade o percentual de destinação da receita era de 64,59%.

Jacqueline fez um levantamento no Tribunal de Contas do Estado (TCE) e elaborou uma planilha com o comprometimento da receita para pagamento de pessoal desde 2009. No último quadrimestre de 2016, quando o então prefeito Vicente Pires estava deixando a Prefeitura, aconteceu o lançamento duplicado, mas o TCE ainda está analisando o recurso apresentado e não deu um parecer definitivo.

A vereadora destacou ainda que Vicente entregou uma folha de pagamento na casa dos R$ 12,9 milhões e hoje ela está em R$ 13,6 milhões. Jacqueline disse ao oreporter.net que não está defendendo a última administração. “É uma continuidade. Somos todos do mesmo partido. Acontece que o atual governo precisa falar a verdade.”

Percentual da receita comprometida com a folha de pagamento durante o governo Vicente Pires

Ano1º Quad.2º Quad.3º Quad.
200953,53%53,90%52,68%
201050,25%51,15%50,27%
201150,19%48,16%47,71%
201248,08%51,42%50,21%
201350,62%49,46%47,28%
201449,44%53,02%52,03%
201554,55%50,84%53,11%
201649,90%53,16%64,59%

Percentual da receita comprometida com a folha de pagamento durante o governo Miki Breier

Ano1º Quad.2º Quad.3º Quad.
201764,40%65,86%67,87%
201862,35%63,45%60,49%
201957,90%xx

Ela citou ainda na Tribuna a despesa com CCs, pegando o gasto de outubro do último ano da gestão de Vicente para comparar com o de hoje. “Em outubro de 2016, havia 114 CCs e o gasto com eles era de R$ 403 mil. Hoje, existe 162 CCs e o gasto é de R$ 584 mil. Então, a despesa maior ou ocorre pelo número maior de CCs ou pelo aumento do subsídio deles.”

Jacqueline não falou, mas o mês escolhido por ela, como acompanhado pela reportagem na época, foi justamente quando Vicente vez o maior corte no número de CCs. O vereador Edison Cordeiro usou a Tribuna e ironizou a suspeita levantada por Jacqueline de que a culpa pelo comprometimento da receita está nos CCs.

Cordeiro: “É fácil ficar falando.”

Conforme Cordeiro, o problema da Prefeitura poderia ser facilmente resolvido. Bastaria demitir todos os CCs para cortar os R$ 584 mil da folha, que fica ao redor de R$ 13 milhões, para ela ficar em R$ 12,5 milhões. Ele quis dizer que a análise da parlamentar era simplista e que o corte no gasto não teria nenhum impacto significativo. “É fácil falar e vir aqui jogar ao vento. Temos que pensar mais e apresentar soluções. Vir aqui falar é fácil.”

Compartilhe essa notícia