Miki critica oposição e desmonta denúncia sobre pardais - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Miki reuniu vereadores - Fotos: Roque Lopes/oreporter.net

Miki critica oposição e desmonta denúncia sobre pardais

Prefeito reuniu secretário, diretores e vereadores da base de apoio para mostrar que não existem irregularidades nos pardais em Cachoeirinha

Cachoeirinha – O prefeito Miki Breier e o secretário de Segurança e Mobilidade, Joaquim Fortunato,  reuniram na manhã desta sexta-feira (7) vereadores da base de apoio ao governo para provarem que não existe nenhuma irregularidade nos 11 pontos com controladores de velocidade. A denúncia, que teve até representação no Ministério Público, foi realizada pelo vereadores oposicionistas Marco Barbosa, Jacqueline Ritter e Rubens Otávio.

A denúncia aponta o descumprimento de regras definidas pela resolução 396/11 do Contran, como a inexistência de estudos para a instalação e remoção de pardais, a falta de aferição pelo Inmetro e a não disponibilização destes documentos na secretaria e na Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI), como determina a lei.

Miki e Joaquim mostraram todos os documentos aos vereadores Édison Cordeiro, Felisberto Xavier, Paulinho da Farmácia, Luis Henrique Tino, Jussara Caçapava e Cristian Wasem, todos que integram a base de apoio no Legislativo.

O prefeito explicou que em junho 2016, depois de uma licitação realizada ainda no governo passado, foram instalados os controladores de velocidade. Em julho de cada ano, conforme Joaquim, são elaborados os estudos. A secretaria, portanto, fez os estudos de 2017 e 2018 e no mês que vem fará o deste último período entre 2018 e 2019, quando os 12 meses estiverem fechados.

O estudo, conforme a diretora de Mobilidade, Tatiana Boazão, consiste em um relatório das infrações no período servindo para comparativos com os anteriores. Já a aferição do Inmetro, segundo ela, é realizada anualmente nos equipamentos chamados de metrológicos que são os que medem apenas a velocidade.

Pardal só multa no sinal vermelho depois de 3 segundos

Existem os equipamentos que flagram quem avança o sinal vermelho. Esses são os não metrológicos e a aferição é realizada de cinco em cinco anos. “Temos equipamentos híbridos também, que fazem as duas funções, e todas as aferições estão em dia”, garantiu.

Sobre a denúncia de Marco Barbosa da retirada do pardal do final da Papa João XXIII e instalação na Frederico Ritter, na rua de acesso à Arena do Cruzeiro, Joaquim explicou que não existe na lei obrigatoriedade de um estudo para remoção. “A retirada pode ser feita a partir da análise dos dados dos últimos 12 meses e isso foi realizado”, garantiu.

Já a escolha do local novo, acrescenta o prefeito, foi em função dos inúmeros acidentes que aconteciam no cruzamento. Marco Barbosa ainda havia questionado se o estudo apontou que a velocidade poderia ser reduzida de 50 km/h para 40 km/h. Segundo técnicos da secretaria, em cruzamentos, a velocidade é de 40 e não pode ser de 50.

Todos os estudos e laudos são assinados por um engenheiro lotado na secretaria. Ele é engenheiro civil e Joaquim explica que o profissional atua há bastante tempo na área. “A lei fala em engenheiro. Não diz que tem que ser um engenheiro formado na área de trânsito. Estamos seguindo rigorosamente a legislação”, assegurou.

Tatiana acrescentou que outra denúncia realizada dava conta de que havia pardal multando no sinal amarelo. Ela mostrou a sala de controle para a reportagem e explicou que existe um retardo de 3 segundos. “Quando o sinal passa para o vermelho, o motorista que o ultrapassar será multado quando o terceiro segundo se completar. Não há como ter multas no amarelo”, afirmou.

Joaquim e Miki mostram os documentos

Secretária da JARI foi forçada a fazer certidão

O presidente da JARI, José Milton da Rosa, garantiu que o órgão tem todos os documentos e ficam com ele. Já o secretário Joaquim afirmou que a funcionária que assinou uma certidão pedida pelos vereadores de oposição escreveu um texto ditado por eles. “Ela nem é secretária da JARI. É uma servidora cedida e deve ter ficado nervosa”, explicou Joaquim.

O vereador Cristian Wasem, manuseando os documentos, comentou na reunião que a papelada não foi produzida às pressas para serem mostradas. “A gente percebe que são documentos antigos, com marcas de manuseio e até ferrugem de grampo.”

Oposicionistas são criticados

Na próxima sessão da Câmara, os vereadores da base vão dar as explicações para os oposicionistas. Felisberto Xavier comentou que percebeu uma certa raiva nos discursos dos parlamentares contrários ao governo.

O prefeito Miki Breier avaliou que os parlamentares “estão muito afoitos”. “É mais uma denúncia desqualificada com caráter político sem nenhum fundamento legal. A população não pode cair em conversa fiada. Os pardais são necessários para a segurança no trânsito e para salvar vidas. Eles também integram o cercamento eletrônico. Será que quem não quer radar tem alguma relação com a bandidagem?”, questionou Miki.

Tanto o prefeito quanto o secretário argumentaram que toda a documentação está disponível para a comunidade. “Esses documentos todos, e não são poucos, não vão ficar na recepção. Basta a pessoa pedir e aguardar para que eles sejam providenciados. Se não for na hora, vai ser logo em seguida”, explica. Já a diretora de Trânsito cumpriu o anunciado no dia anterior ao oreporter.net e publicou no site da prefeitura todos os documentos.

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.