Jussara nega criação de cargos para CCs “disfarçados” de estagiários - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Jussara Caçapava - Foto: Roque Lopes/arquivo

Jussara nega criação de cargos para CCs “disfarçados” de estagiários

Desde o início da nova Legislatura circulam nos bastidores boatos sobre negociações para a criação de novos cargos

Cachoeirinha – A presidente da Câmara de Vereadores de Cachoeirinha, Jussara Caçapava, negou na manhã desta terça-feira (19) que a Sessão Extraordinária marcada para iniciar às 18 horas também serviria para a criação de novos cargos no Legislativo. A Pauta prevê apenas o projeto do pagamento das parcelas patronais ao instituto de previdência dos municipários suspenso no ano passado por conta da pandemia.

Publicidade

Haveria a possibilidade de a Mesa Diretora apresentar um projeto para a criação de novos cargos. Nas redes sociais circula o boato de que seriam 16 novas vagas para estagiários, um para cada gabinete dos vereadores, com exceção da presidente.

Os cargos seriam de indicação política, uma espécie de CC “disfarçado” de estagiário e com um vencimento mensal na casa dos R$ 1,7 mil. Nas redes sociais, o ex-candidato a prefeito Rubens Otávio, que perdeu a eleição por apenas 318 votos, criticou a possibilidade da abertura das novas vagas:

“Absurdo – Câmara de Vereadores sem controle. Uma vergonha a Câmara chamando uma Sessão Extraordinária para aumentar o número de estagiários de 26 para 42 e, ainda, aumentar o valor para 1700 reais a bolsa mensal para cinco horas diárias. A farra com o dinheiro do povo”, escreveu.

Publicidade

A contratação de estagiários no Legislativo deveria ser feita por um processo seletivo que havia sido encaminhado pelo ex-presidente Fernando Medeiros. Ele não conseguiu concluir todo o processo e ficou para o seu sucessor, Edison Cordeiro, dar prosseguimento. Ele, contudo, cancelou todo o procedimento. Hoje, o preenchimento das vagas existentes permite a interferência política e não prevalece o critério técnico como Medeiros queria implantar.

Nos bastidores há comentários de que a ideia inicial seria a criação de 16 novos CCs já que há recursos de sobra no orçamento tendo em vista que quase R$ 4 milhões foram economizados no ano passado e poderiam ser gastos com novos cargos esse ano.

A criação de novos CCs, contudo, poderia gerar um problema. O Ministério Público, com base em apontamentos do Tribunal de Contas do Estado, vinha cobrando providências do Legislativo para diminuir os cargos em comissão e criar vagas para concursados.

Quando foi presidente, Marco Barbosa, chegou a cortar alguns CCs e encaminhou um concurso público, porém apenas para preencher cargos vagos em função de aposentadoria. Uma forma estudada para não ter o MP fazendo cobranças, conforme circula nos bastidores, seria a criação de vagas de estágio.

Vereadores da base governista não teriam ficado contentes com os cinco cargos que cada um recebeu no Executivo por considerarem muito pouco. Eles ainda possuem, cada um, outro cinco cargos em seus gabinetes. A alternativa, então, para contemplar cabos eleitorais seria a criação das novas vagas no Legislativo, o que foi negado à reportagem por Jussara Caçapava.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.