Ginásio da Fátima será transformado em hospital - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Compras de equipamentos já foi encaminhada - Foto: Arquivo/oreporter.net

Ginásio da Fátima será transformado em hospital

Ele terá 40 leitos, sendo 6 UTIs para atender pacientes que apresentarem complicações devido ao Covid-19

Cachoeirinha – O Ginásio da Fátima, na Zona Norte de Cachoeirinha, será transformado em um hospital de isolamento para atender exclusivamente pacientes que desenvolverem complicações devido ao contágio pelo novo coronavírus. Ele terá 40 leitos, sendo seis UTIs com equipamentos de ventilação mecânica e monitoramento. A UPA vai ganhar dois leitos de UTI para os casos graves. O prefeito Miki Breier fez o anúncio na manhã desta quarta-feira (25) durante a live no Facebook para atualizar dados da proliferação da doença e ações que estão sendo desenvolvido.

Publicidade

“As medidas estamos tomando é para que não tenhamos nenhum caso, mas daqui a pouco vamos ter”, disse. O prefeito voltou a defender que “todos fiquem em casa conforme orientações da Organização Mundial da Saúde”. Sobre o Ginásio da Fátima, Miki explicou que o processo de compra dos materiais necessários já foi iniciado. “Estamos avançando e nos preparando”, disse, salientando que Cachoeirinha poderá não precisar deslocar pacientes para atendimento em outros municípios.

O prefeito não citou o polêmico pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, mas se referiu ao tema. “Queremos salientar aqui a importância das medidas orientadas pela Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e técnicos do mundo inteiro. Eu sei que agora tem algumas pressões, gente querendo dizer que talvez só segurar e isolar as pessoas com mais de 60 anos, mas as pessoas convivem. Nós temos muitas casas que têm netos, filhos, o grupo familiar e não tem muito espaço na casa. Se isolarmos apenas uma parte, esse isolamento vertical não vai surtir efeitos. Então, a orientações é ficar em casa.

O secretário da Saúde, Dyego Matielo, apontou que as medidas adotadas são importantes como preparação para combater os casos que devem surgir. “A pandemia está avançando e mais cedo ou mais tarde vai chegar aqui. Pacientes agravados ou com sintomas agravados serão encaminhados para serem isolados e terem o atendimento adequado. Hoje, o grande problema é leito, em qualquer lugar é leito. Em Cachoeirinha a gente espera suprir a nossa necessidade”, destacou.

Publicidade

Para reforçar as equipes da secretaria da Saúde, não só para o atendimento dos casos de Covid-19, Matielo revelou que a Prefeitura vai contratar 10 enfermeiros e 20 técnicos de enfermagem, que também atuarão no hospital de campanha. “O apoio médico já está existindo. Tem mais um médico 24 horas na UPA e um pediatra. A demanda vai aumentar e a gente já está preparado. Hoje não tem nenhum leito de UTI em Cachoeirinha. O hospital de campanha não é um leito clássico, não é um leito de hospital normal. É um clima de guerra. Estamos prontos para a guerra. Então, neste hospital de campanha e na UPA vamos fazer o possível para tratar os casos graves sem ter que levar a pessoa para outro local”, frisou.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.