Cordeiro diz que se arrepende de ter pedido votos para Miki - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Foi a primeira Sessão com o vereador fora da base governista - Foto: Reprodução

Cordeiro diz que se arrepende de ter pedido votos para Miki

Vereador fez críticas ao projeto que tenta destravar a obra da Fernando Ferrari e ainda a um veto do prefeito ao projeto prevendo o pagamento do 13º via financiamento bancário

Cachoeirinha – Na primeira Sessão da Câmara depois de o Republicanos oficializar seu desembarque da base aliada ao Governo Miki, o vereador Edison Cordeiro criticou algo que, para ele, ainda permanece obscuro com relação a dívida da Prefeitura com a construtora Brasília Guaíba: o suposto cancelamento de uma multa de R$ 4 milhões.

O secretário de Governança e Gestão, Gilson Stuart, disse ao oreporter.net dias atrás que a multa por descumprimento de contrato não foi cancelada e sim suspensa depois que foi descoberto que a empresa contestou a última notificação, mas o documento acabou parando no setor errado.

A análise da documentação ainda está sendo feita e não há uma decisão se a multa será mantida ou anulada. Todos os vereadores da base, incluindo Edison Cordeiro quando fazia parte dela, foram convidados para uma reunião com o Governo para receberem as informações e até hoje nenhum repassou os detalhes das explicações na Tribuna ou em apartes.

“Se a nós tivesse a mesma pressa que a gente está tendo para pagar, se a gente tivesse para receber, a gente estava melhor. O Município estaria bem melhor. Aí botaram em alguns sites aí que nós estamos trancando a Fernando Ferrari, nós como vereadores estamos prejudicando aquela obra. Mas não estão dizendo que nós estamos sendo lesados em R$ 4 milhões da mesma empresa que nós estamos devendo para ela 8 ( R$ 8 milhões) e ela está nos devendo 4. Na conta de padeiro 8 menos 4 não pode ser 8 porque 8 menos 4 é 4. E essa é a minha indignação. Se eu sou o culpado de a Fernando Ferrari estar trancada, então esse é o motivo porque ela está trancada e não disseram o motivo porque estamos trancando”, disse o vereador em aparte concedido por Alcídes Gattini.

Mais tarde na Sessão, quando estava em discussão um parecer contrário ao veto do prefeito Miki Breier a uma emenda ao projeto prevendo o pagamento do 13º salário do funcionalismo via financiamento no Banrisul, Cordeiro usou a Tribuna.

“Eu vou usar sua fala vereador Tino, o senhor disse que o prefeito fez um esforço ( para viabilizar uma alternativa de pagamento do 13º para o funcionalismo). O esforço quem vai fazer é o funcionário que vai lá no banco, vai pegar uma fila, vai pegar uma ficha e vai tentar convencer o banco se tiver endividado para receber o 13º, disse.

O vereador foi mais longe: “Então, o prefeito não está fazendo esforço coisa nenhuma. O esforço é essa Casa que faz aprovando os projetos em benefício do funcionalismo público. Não é o prefeito que faz esforço coisa nenhuma. O esforço é nós que temos que batalhar aqui e depois dar a nossa cara lá para pedir o voto. Se um arrependimento que tenho na minha vida foi pedir voto para esse prefeito. Então, vir dizer aqui que ele fez esforço para esse projeto é brincadeira com minha cara.”

Embora esteja alinhado com oposicionistas, Cordeiro não se considera oposição. No escrutínio dos votos do parecer contrário da Comissão de Constituição, Justiça e Infraestrutura Urbana ao veto do prefeito, o presidente da Câmara, Fernando Medeiros, chamou Cordeiro e Felisberto Xavier para a contagem. E comentou que havia chamado um vereador da situação (Xavier) e outro da oposição. “Eu não sou oposição e sim centro-direita”, retrucou Cordeiro. Ele fez referência a como seu partido se enquadra no cenário político nacional e não ao Governo Miki.

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.