Controle do mosquito da dengue é feita com uso de armadilhas – oreporter.net – Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Foto: Marcelo Bernardes/Divulgação SES

Controle do mosquito da dengue é feita com uso de armadilhas

Neste período de epidemia da doença, porém, a ação foi interrompida

Cachoeirinha – Para ter um controle de como o mosquito Aedes aegytpi, responsável pela transmissão da dengue, se comporta, a Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeirinha adotou um método chamado ovitrampa. De acordo com João Henrique Dobler Lima, biólogo e coordenador da Vigilância em Saúde do município, este método mudou a forma de se trabalhar no combate do mosquito.

Publicidade

“Antigamente os agentes iam em todos os bairros, coletavam larvas, elas eram levadas para laboratório para serem identificadas e era em cima dessa coleta que estipulávamos se havia infestação do mosquito ou não. Agora ainda fazemos coleta da larva, mas para levantamento de índice de infestação é feita a contagem de ovos através do ovitrampa”, explica.

Publicidade

A ovitrampa é uma espécie de armadilha que consiste em um vaso de planta sem furo e uma palheta de eucatex, onde é colocado levedo de cerveja afim de atrair a fêmea do mosquito a depositar os ovos no local (ovoposição). A equipe de agentes deixa esta armadilha nas casas, com um pouco de água e retorna em cinco dias para recolher e levá-la ao laboratório para fazer a contagem dos ovos.

“As ovitrampas simulam um criadouro de Aedes aegypti. A partir delas, podemos calcular a densidade da população do mosquito e quais os locais de maior proliferação. Com isso, são pensadas quais estratégias mecânicas de combate à dengue, como mutirões de limpeza, educação em saúde, entre outras serão aplicadas”, afirma João Lima.

Publicidade

Em função da epidemia de dengue vivida em Cachoeirinha, as cerca de 100 ovitrampas  espalhadas por 24 localidades foram recolhidas de toda a cidade. “É uma medida adotada quando se começa um surto da doença. O recolhimento aconteceu em março porque neste momento não é prioridade saber onde tem mais ovo e sim onde tem mais casos da doença. Acreditamos que até julho deveremos manter em suspenso este trabalho”, acrescenta o coordenador da Vigilância em Saúde.

error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.