Contrato do HC será prorrogado devido ao crescimento da Covid - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
O hospital funcionará até dezembro - Foto: Arquivo/oreporter.net

Contrato do HC será prorrogado devido ao crescimento da Covid

Atendimentos na estrutura no Ginásio da Fátima seria encerrada na próxima sexta-feira, mas serão prorrogados por mais 30 dias

Cachoeirinha – Com o aumento da demanda nas duas últimas semanas, chegando a atender 150 pessoas em um dia, a secretaria municipal da Saúde decidiu prorrogar por mais 30 dias o funcionamento do Hopital de Campanha (HC) no Ginásio da Fátima. Conforme o secretário da Saúde, Juliano Paz, o prefeito Miki Breier conseguiu fazer ajustes orçamentários e viabilizou os recursos necessários para mais um mês de operação, estimados em R$ 1 milhão.

Publicidade

A ideia inicial era iniciar uma desativação progressiva da estrutura criando um centro de triagem e atendimento ao lado da UPA, havendo o encaminhamento dos casos mais graves para o hospital Padre Jeremias. Mas o aumento da demanda nas duas últimas semanas levou a uma mudança de planos para não deixar a população desassistida.

A empresa responsável pelo fornecimento de profissionais da área da saúde não será a mesma. Nesta segunda-feira (23), a XP3 recebeu a segunda notificação por atrasar salários ou não efetuar o pagamento na integralidade. “Não podemos aceitar que isto aconteça e o contrato não será renovado. Já estamos com outros orçamentos para termos um novo contrato com outra empresa”, revela Paz.

O diretor do HC, Vanderlei Marcos, revela que a projeção para novembro é de 2.880 atendimentos levando em conta o aumento na procura. Em agosto foram 1.919 atendimentos, em setembro aconteceram 1.749 e no mês passado foram 2.308. Até as 15h15min desta segunda, 135 pessoas tinham sido atendidas e havia uma longa fila de espera.

Publicidade

Com o aumento da demanda, explica o secretário da Saúde, é natural uma demora maior no atendimento. “Isto acontece em todos os hospitais e não é uma particularidade nossa. Pode demorar, mas todos são atendidos”, salienta.

Juliano Paz argumenta que as pessoas parecem ter decretado o fim da pandemia, tendo em vista que as medidas de flexibilização do distanciamento social não estariam sendo respeitadas como no início da pandemia.

Além da grande procura pelos atendimentos, muitos casos estão chegando com uma maior gravidade e as internações também crescem. Nesta segunda, havia dois internados com teste positivo e outros três na ala de suspeitos enquanto aguardam o resultado dos exames. O único intubado recebeu alta nesta segunda depois de ficar seis dias na ventilação mecânica.

Testes e medicamentos não faltam

O HC tem realizado até 60 testes por dia e não há risco de faltar. Reclamações publicadas em redes sociais, conforme o diretor do HC, são de pessoas que não entendem os protocolos que devem ser seguidos. O teste PCR, por exemplo, só é feito em quem tem sintomas entre seis e oito dias. Já o teste rápido, somente para casos com mais de 10 dias. Além disso, moradores de outras cidades que estão procurando a estrutura em Cachoeirinha, são submetidos aos testes apenas se apresentarem o cartão SUS.

Homens apresentam quadros mais graves

Os casos de Covid estão chegando mais graves no HC, especialmente entre homens. Vanderlei Marcos conta que muitas pessoas estão demorando para procurar atendimento e parte disso se deve a divulgação de fake news em redes sociais e informações distorcidas. O que mais preocupa são os homens, segundo ele, já que não costumam manter seus exames de rotina como as mulheres.

Nesta segunda, um homem buscou atendimento depois de estar há cinco dias com sintomas. “As pessoas devem procurar atendimento já no primeiro dia, seja aqui ou pelo aplicativo”, avisa. Medicamentos para tratar os sintomas estão disponíveis e já foram prescritas 40 mil unidades.

Perfil pode ter mudado

Ainda não há um definição clara sobre o perfil de quem está procurando atendimento. O diretor do HC explica que notou mais jovens e pessoas fora do grupo de risco, algo não comum nos primeiros meses da pandemia. O secretário da Saúde solicitou que seja realizado um levantamento para tentar traçar o perfil dos pacientes nas últimas semanas permitindo a tomada de decisão sobre medidas que possam ser adotadas para minimizar a disseminação da doença.

Publicidade
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.