Autora de livro sobre Irmã Dulce vem a Cachoeirinha - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Lançamento será no dia 22 - Foto: Luciney Martins/Divulgação

Autora de livro sobre Irmã Dulce vem a Cachoeirinha

Karla Maria estará na cidade por iniciativa da Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem

Cachoeirinha – A jornalista e escritora Karla Maria estará em Cachoeirinha no próximo dia 22 para fazer o lançamento do seu livro-reportagem Irmã Dulce – A santa brasileira que fez dos pobres sua vida. Um bate-papo e sessão de autógrafos vão ocorrer em dois momentos, segundo o padre Eduardo Delazeri.

Na parte da manhã, com início às 10 horas, Karla Maria estará na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Vila Eunice. Já no início da noite, às 19 horas, a conversa e autógrafos acontecerão na Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem.

“Aproveitamos que a escritora estará em Porto Alegre e a convidamos para fazer o lançamento do livro em Cachoeirinha integrando as celebrações natalinas”, explica o padre Eduardo.

Publicada pela editora Paulus, a obra com 136 páginas apresenta diversas narrativas, a partir do trabalho de apuração e de escuta de testemunhas vivas que conviveram com a freira, que se tornou a primeira santa nascida no Brasil, canonizada pela Papa Francisco no último dia 13 de outubro.

Na obra, o leitor encontra detalhes históricos da vida da santa baiana, seu trabalho de denuncia e defesa dos mais necessitados. Com linguagem literária, a autora busca envolver seus leitores nessa viagem de apuração pela Cidade Baixa, em Salvador, e pela história. Surpreende ao emocionar-se com relatos de fé e de milagres.

“Escrever sobre irmã Dulce, caminhar por onde ela caminhou, ouvir e registrar os depoimentos de pessoas que com ela conviveram e dela receberam carinho, acolhida, ou a intercessão para os milagres, foi uma experiência bonita, de reencontrar o humano em uma sociedade que se mostra cada vez mais desumanizada”, afirma a jornalista.

Em cada capítulo, o leitor conhecerá a origem de Irmã Dulce, sua vida no convento, o trabalho com os operários, sua luta em defesa dos mais pobres, além da história do hospital que surgiu de um simples galinheiro.

Karla disse ao oreporter.net que a audácia da freira, então com 20 anos, é o que mais chama a atenção na história de ajuda aos mais necessitados. “Ela desobedecia a congregação que fazia parte e ia para as ruas recolher pessoas para ajudar mesmo não tendo onde colocá-las. Ela invadia espaços públicos abandonados e ia sendo expulsa até que chegou no galinheiro onde construiu sua obra”, destaca.

Karla Maria fala sobre o livro no programa Ponto de Vista da TV Câmara Guarulhos

O ano era 1949 e o galinheiro fazia parte de um convento. Ali, Irmã Dulce montou uma enfermaria improvisada e ao longo de uma década o local se transformou em um grande complexo de saúde que hoje atende 3,5 milhões de pessoas na Bahia.

O nome de Irmã Dulce é Maria Rita Lopes Pontes e ela nasceu em 26 de maio de 1914. O nome Dulce foi adotado para homenagear a mãe, que morreu de parto quando ela tinha sete anos. O pai era dentista e a família tinha uma ótima condição de vida. Desde jovem, Irmã Dulce cuidava de moradores de rua na porta da casa da família e ampliou seu trabalho a partir dos 19 anos, quando se tornou freira. A ela são atribuídos dois milagres: ter estancado a hemorragia de uma mulher após um parto e devolvido a visão a um homem que esteve cego por 14 anos.

Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.