Nova iluminação vai tirar Cachoeirinha da penumbra - oreporter.net - Notícias de Cachoeirinha e Gravataí
Toda a cidade terá luminárias de LED - Foto: Fernando Planella/Divulgação

Nova iluminação vai tirar Cachoeirinha da penumbra

Todas as lâmpadas de vapor de sódio e vapor de mercúrio serão substituídas por LED

Cachoeirinha – Inicia na próxima sexta-feira (31) a substituição de 10.966 mil lâmpadas de vapor de sódio e vapor de mercúrio em todas as ruas, praças e demais espaços públicos em Cachoeirinha. A empresa Consórcio IP Brasil, vencedora da licitação, será a responsável pela instalação das lâmpadas de LED e também pela manutenção das que vierem a apresentar defeito. A rua Curitiba, entre a Estados Unidos e a rótula da Avenida José Brambila, na Vila Anair, será a primeira a ser beneficiada. Uma cerimônia de lançamento do projeto será realizada às 19h30min.

Publicidade

O secretário de Governança e Gestão, Gilson Stuart, ressalta que o novo sistema vai permitir uma redução no que a Prefeitura desembolsa mensalmente para pagar a conta do gasto com o consumo de energia e manutenção. Hoje, são empregados mensalmente, em média, R$ 444.536,95 de um total de aproximadamente R$ 705 mil arrecadados.

Deste total gasto, R$ 120.835,50 são utilizados na manutenção, como troca de lâmpadas, luminárias e até instalação de novos postes em novos loteamentos. Já o custo da energia está em R$ 323.701,45. Todos esses valores são uma média e foram utilizados como referência na licitação. O dinheiro da iluminação pública é pago mensalmente pelos consumidores e vem especificado na conta da companhia de energia.

A IP Brasil vai assumir o serviço por um período de cinco anos. Stuart ressalta que as luminárias novas têm uma durabilidade de 10 anos. “Passado esse período inicial, vamos ter uma economia ainda maior, pois depois não precisaremos pagar nada para a empresa e apenas cuidar da manutenção”, explica. Pelo contrato, a Prefeitura vai destinar mensalmente para a empresa um total de R$ 376.856,41, mas vai descontar deste valor o que precisa utilizar para pagar a conta do consumo para a RGE.

Publicidade

O que for economizado, não poderá ser utilizado em outra área. “Este recurso que vem da CIP (Contribuição para Iluminação Pública) é o que chamamos de recurso carimbado. Significa que não pode ser utilizado em outra área. Só pode ser usado para trocar poste, luminárias, instalar iluminação em um loteamento e executar projetos de iluminação em prédio públicos”, explica o superintendente de Compras e Licitação, André Balsemão.

Stuart: “Cidade ficará muito mais iluminada.”

O ponto principal, argumenta Stuart, é a eficiência energética. “O valor do consumo vai cair e a luminosidade vai aumentar muito. Em determinados locais, onde parece uma penumbra, vai ficar muito claro”, afirma. Ele acrescenta ainda que o custo com manutenção será zero para a Prefeitura. Reparos ficarão por conta da vencedora da licitação.

Cachoeirinha utiliza dois tipos de lâmpadas: vapor de sódio e vapor de mercúrio. A potencia delas varia. São sete, indo de 70 a 400 watts. O maior número é de lâmpadas de vapor de sódio de 150 watts. São 6.190, representando 56, 45% do total.

A IP Brasil vai instalar LEDs com potências variando de 30 a 150. Estas 6.190 serão trocadas por LEDs de 65 watts. No edital, a Prefeitura exigiu uma eficiência mínima de 140 Lm/W. Já a empresa garantiu 150 Lm/W. Lm é a sigla de Lúmen, que é a quantidade de luz emitida por uma lâmpada. Também é chamada de fluxo luminoso. Já o Lm/W indica quantos lúmens uma lâmpada produz a cada watt consumido.

Na prática, isto significa que elas são mais econômicas. No sistema atual, a Prefeitura paga em média R$ 323.701,45 de energia. Com as LEDs, o gasto cairá para R$ 114.300,86. A economia, arredondada, é de 65%. Mas ela só se refletirá nos cofres públicos depois de cinco anos, quando acabar o contrato com a IP Brasil, já que nos primeiros cinco anos será necessário desembolsar mensalmente R$ R$ 376.856,41, já incluído o gasto com o consumo.

Além de serem mais econômicas, as lâmpadas LEDs tem um fluxo luminoso até três vezes maior que as lâmpadas usadas atualmente. Isto significa que elas vão iluminar mais. As luminárias e lâmpadas a serem removidas poderão ser doadas para outros municípios ou leiloadas.

A Mercúrio continuará prestando serviço para a Prefeitura, mas vai tratar de trocas de postes, substituição daqueles que forem danificados em acidentes e ainda instalar novas redes de iluminação em novos loteamentos.

Rua Curitiba será a primeira

Comerciantes elogiam

“Hoje até está bom, mas se vai melhorar isto é muito bom.” A frase é da comerciante Ilda Abreu Almeida, que tem uma loja da Curitiba, na Vila Anair. Para ela, que ainda não conhece uma iluminação pública com LED, a Curitiba não apresenta grandes problemas à noite. Já outro comerciante, que fica aberto até mais tarde, diz que é uma penumbra.

“Se vão trocar mesmo isto será ótimo, porque aqui é tudo meio escuro. Junta muita gente à noite pela rua e com esta iluminação nova e moderna vai melhorar até a segurança. Espero que melhore mesmo, porque quando dá problema levam até três meses para consertar”, afirma Anderson Load.

Resumão

Publicidade
  • A Prefeitura gasta hoje em média R$ 444.536,95 por mês. São R$ 323.701,45 com consumo e R$ 121.835,50 com manutenção
  • A IP Brasil vai receber mensalmente por cinco anos R$ 376.856,41, sendo que deste valor será descontado o gasto com consumo
  • A empresa estima que o sistema LED vai gerar um consumo de energia mensal em torno de R$ 134 mil, ou seja, 65% menos do que é gasto hoje.
  • A manutenção será de responsabilidade da IP Brasil, sem gasto nenhum da Prefeitura
  • A Prefeitura continuará fazendo a instalação de postes quebrados em acidentes, por exemplo, e de iluminação em novos loteamentos.
  • Os recursos da Contribuição de Iluminação Pública (CIP) renderão para a Prefeitura esse ano em torno de R$ 725 mil por mês. Esses recursos só podem ser gastos com iluminação pública, sendo permitidos projetos para prédios públicos.
  • A cidade tem hoje 10.966 pontos de luz com lâmpadas de vapor de sódio e vapor de mercúrio com potências variando de 30 watts a 400 watts. O maior número é de lâmpadas de vapor de sódio de 150 watts, representando 56,45% do total. Estas serão trocadas por LEDs de 65 watts.
  • A troca das lâmpadas inicia na próxima sexta-feira (31) pela rua Curitiba.
Compartilhe essa notícia
error: Não autorizamos cópia do nosso conteúdo. Se você gostou, pode compartilhar nas redes sociais.